quinta-feira, 30 de maio de 2013

O elemento regente de cada signo


ÀRIES

De 21 de Março a 20 de Abril
Elemento: fogo
Planeta regente:Mercurio

O símbolo de Áries é o carneiro. Primeiro signo do elemento fogo, representa a impulsividade, iniciativa, ação, urgência, coragem, egoísmo, imediatismo. Áries é o combate, o uso da força e da iniciativa, a busca de auto-afirmação. A motivação ariana direciona-se para a ação decidida, "derrubando" os obstáculos. Signo de espontaneidade nas reações, que são imediatas. Áries primeiro age, para depois refletir. 
Características: independência, ação, coragem, pioneirismo, liderança, franqueza, auto-afirmação, força física, agressividade, teimosia, autoritarismo, egoísmo, rápido desinteresse. Signo imediatista, com dificuldade na persistência, podendo mudar de objetivos com freqüência. Há uma tendência em áries para buscar uma causa pela qual empenhar sua luta e energia. 

TOURO

De 21 de abril a 20 de maio
Elemento: terra
Planeta regente: Vênus

Touro é o símbolo da produtividade e persistência, do ritmo lento e decidido. É o primeiro signo do elemento terra, muito ligado às sensações físicas. A regência de Vênus dá aos taurinos afetividade, sensualidade e uma certa indolência. Signo que representa a busca de estabilidade e segurança, com tendência à possessividade e acumulação, o que gera dificuldade com as mudanças. Touro prefere os caminhos seguros e conhecidos. 
 Características: paciência, persistência, sensualidade, busca de paz, praticidade, estabilidade, sentido da forma e estética, harmonia, beleza, acomodação, teimosia, obstinação, materialismo, ciúme, possessividade. O taurino motivado pelo afeto (ou pelo materialismo...) busca com muita dedicação os seus objetivos, mas deve perceber quando é necessário desapegar-se.

GÊMEOS

De 21 de Maio a 20 de Junho
Elemento: ar
Planeta regente:Mercúrio 
O símbolo de gêmeos indica a inquietação, a curiosidade, a inconstância. Signo que simboliza a dualidade. Primeiro signo do elemento ar, representa a inteligência, a comunicação, as conexões mentais, o movimento e o relacionamento com o meio circundante. A regência de Mercúrio simboliza a busca do entendimento mental e o desejo de liberdade de expressão e movimento. 
Características: comunicabilidade, inteligência, instabilidade, variedade de interesses e objetivos, curiosidade, mutabilidade, dispersão, versatilidade, superficialidade. Gêmeos se relaciona com o que está a sua volta por meio da comunicação e da busca de entendimento mental.

 CÂNCER

De 21 de Junho a 21 de Julho
Elemento: água
Planeta regente:Lua

O símbolo gráfico de câncer sugere um fechamento protetor, um "ninho", um abrigo, símbolo também da gestação e da maternidade. Primeiro signo da água representa a sensibilidade, o sentimento, a nutrição emocional. O caranguejo é de movimentos cuidadosos, protegido por sua casca, vivendo entre a água e a terra. Com suas antenas para a frente e o rabo para trás, o caranguejo expressa a fé e a gratidão. Signo regido pela lua, que é o domínio do inconsciente, das emoções, do sonho, da imaginação. 
Características: proteção, receptividade, sentimentos, sensibilidade, ternura, criatividade artística, intuição, carência, comportamento "lunático", fantasia, impressionabilidade, vulnerabilidade psíquica e emocional, insegurança, dificuldade de cortar o "cordão umbilical", de romper com o passado. O canceriano é um ser que vive em função de seus sentimentos e imaginação, com grande sensibilidade e intuição. Tem fases, como a lua... 

 LEÃO

De 22 de Julho a 22 de Agosto
Elemento: fogo
Planeta regente: Sol

Signo de liderança, de força criativa, entusiasmo e afetividade expansiva. É o fogo em sua "majestade" e exuberância. Símbolo de segurança frente ao meio exterior. O leonino busca o reconhecimento, e devido a isso pode se expressar de forma firme, dramática ou arrogante e autoritária. É regido pelo astro-rei Sol, o que confere brilho e criatividade. 
Características: emoção, força criadora, poder, comando, generosidade, espontaneidade, intuição, liderança, orgulho, vaidade, dramaticidade,exibicionismo, ego inflado. Leão tem a tendência a ser o centro das atenções, e esta particularidade pode expressar-se de forma positiva ou negativa.

VIRGEM

De 23 de Agosto a 22 de Setembro
Elemento: terra
Planeta regente:Mercúrio

Signo que simboliza a necessidade de separar "o joio do trigo", concentrando-se na seleção, aperfeiçoamento e qualidade daquilo que é feito. Busca a discriminação, no sentido de atingir uma realidade "perfeita". 
O símbolo do signo retrata a purificação e a colheita. 
Características: 
Desejo de servir e ser útil, mente prática, análise, ordem, aperfeiçoamento, dedicação, detalhe, perfeccionismo, crítica, exigência, inquietação, sentimento de culpa ou de inferioridade, timidez. 
O trabalho é um fator importante na vida dos virginianos, e a forma como se conduz perante ele, o afeto ou não com que realiza suas funções são determinantes para sua saúde e bem-estar. Virgem tem muito a colaborar, especialmente no aperfeiçoamento de instrumentos, técnicas e do trabalho em si. 

 LIBRA

De 23 de Setembro a 22 de Outubro
Elemento:Ar
Planeta regente:Vênus

 Libra é representado na balança, símbolo do equilíbrio e da justiça. É o signo que inaugura a fase social do zodíaco, isto é, libra se volta para os relacionamentos, em busca da associação, da parceria, sobretudo mental, já que é um signo do ar. Busca uma relação "igual", justa. 
 Características: senso estético, busca de harmonia e paz, necessidade de associação e relação, cooperação, diplomacia, imparcialidade, dificuldade em decidir, dependência, insegurança, falta de profundidade. Devido à regência venusiana, os nativos de libra têm apurado senso estético e de harmonia, o que contribui para sua criatividade. É um signo voltado para os relacionamentos, para o companheirismo (libra ama a relação mais do que o amor...) mas que deve aprender de seu oposto, áries, a ser mais decidido e autônomo. 

 ESCORPIÃO

De 23 de Outubro a 21 de Novembro
Elemento: água
Planeta regente:Plutão

 Escorpião é o relacionamento aprofundado, pois é um signo da água, de fortes emoções. Representa a fase de transformação e renovação do zodíaco. É a intensidade emocional, a paixão, o sexo, a necessidade de penetrar nos mistérios do ser humano e da vida, e o renascimento pessoal e dos relacionamentos. Características: profundidade, magnetismo, sexualidade, envolvimento emocional, persistência, perspicácia, senso de pesquisa, intuição, desapego, reciclagem, capacidade de cura, desconfiança, inflexibilidade, obsessões, lutas de poder, controle excessivo, ciúmes e vingança. A regência de Plutão sinaliza que escorpião tem um potencial curador, pois está orientado para o âmago das experiências, os mistérios, o oculto, a sexualidade. Mas precisa se tornar amigo de seus instintos e emoções, para que estes não tenham poder destrutivo. 

 SAGITÁRIO

De 22 de Novembro a 21 de Dezembro
Elemento:Fogo
Planeta regente: Júpiter

 Sagitário representa a expansão dos horizontes, que pode ser física, mental, cultural, espiritual. É a busca do abstrato, do sentido da vida, de uma ampla compreensão que leve à sabedoria. O símbolo do signo, a flecha, representa as metas, os ideais, os objetivos, que estão sempre apontados para novos alvos. Características: idealismo, desejo de liberdade e aventura, expansão, franqueza, aspirações, novos horizontes, otimismo, alegria, jovialidade, intuição, dom profético, exageros, fanatismo, rigidez, dogmatismo, moralismo, falta de tato, inquietude. Sagitário possui a missão de divulgar o conhecimento, de passar adiante os ensinamentos e experiências que vai adquirindo ao longo da vida. Representado na figura mitológica do centauro (metade animal, metade humano) que simboliza a busca de união entre os instintos e o conhecimento. 

 CAPRICÓRNIO

De 22 de Dezembro a 20 de Janeiro
Elemento:terra
Planeta regente: Saturno

 Regido por Saturno, o "senhor do tempo e da razão", capricórnio representa a estabilidade, a praticidade, o esforço, a ambição, as conquistas sólidas e duradouras, a determinação em vencer obstáculos. Signo orientado para o trabalho, a disciplina, a persistência. Capricórnio é a ordem estabelecida, e também o esforço em direção ao cume das realizações.
 Características: responsabilidade, dever, trabalho, organização, prudência, seriedade, repressão, isolamento, depressão, dificuldade em relaxar, em sentir, pois está muito voltado para o aspecto prático e realizador. Capricórnio deve aperfeiçoar e desenvolver suas metas, com o objetivo de tornar sólidos e duráveis os frutos de seu esforço. Entretanto, deve aprender de seu signo oposto, câncer, a lidar melhor com a sensibilidade e as emoções. 

 AQUÁRIO

De 21 de Janeiro a 19 de Fevereiro
Elemento: Ar
Planeta regente:Urano
 Aquário é um signo progressista, vanguardista, pois é regido por Urano, planeta das mudanças súbitas, da inovação de pensamento. Signo que representa o futuro, as reformas sociais e tudo o que é alternativo. Aquarianos valorizam a liberdade, a independência, a amizade e a fraternidade. Têm como missão a abertura de mentalidade. São imprevisíveis, idealistas e criativos.
 Características: inventividade, originalidade, intuição, visão larga, sem preconceitos, humanitarismo, afeto impessoal, desejo de mudança, rebeldia, excentricidade, nervosismo. As telecomunicações, a tecnologia, as invenções, os ideais humanitários, a inovação, os grupos, e a própria astrologia possuem afinidade com a energia aquariana.

PEIXES

De 20 de Fevereiro a 20 de Março
Elemento:água
Planeta regente:Netuno

 Peixes é o final do zodíaco e traz consigo a lição e experiência de cada um dos signos que o antecedem. A regência de Netuno representa o contato com o invisível, o plano sutil, a sensitividade, a mediunidade, a fé, o sacrifício, como "sacro-ofício", o que pode levar os nativos do signo ao papel de mártir, ou de vítima... 
 Características: intuição, receptividade, percepção sensível, afetividade, inspiração, arte, impressionabilidade, mediunidade, imaginação, romantismo, criatividade, empatia, sonhos, fantasia, ilusão, confusão, escapismo. O melhor direcionamento para este signo da água é buscar o desenvolvimento espiritual e criativo, para que sua sensibilidade seja canalizada positivamente. 

Fonte: Http://www.isabelmueller.com.br 

 Você também pode gostar:

domingo, 26 de maio de 2013

Ritual do lobo para um coração partido

  Esse ritual é indicado para quem foi magoado, abandonado e está com o coração partido. Essa é uma dor que entristece até a mais forte das almas, não é vergonha nenhuma vivênciá-la. Mas não é saudável torná-la um hábito.
   Qualquer pessoa pode fazer esse ritual, mesmo que o seu animal seja outro ou você não saiba qual é o seu animal guardião.

   Em noite de lua-cheia,vá a um lugar ao ar livre onde possa vê-la. Leve consigo um pouco de ração (isso mesmo, ração para cães) e um pouco de leite. Erga os braços para a lua e diga:

"Que a deusa me abra as portas do espírito
Que eu possa trilhar a estrada da lua
Que eu nunca esteja sozinho
Que o espírito do lobo seja meu guia e meu amigo."

  Abaixe os braços, deixando-os relaxados ao longo do corpo, feche os olhos e respire profundamente, ao menos três vezes. Relaxe, você está seguro. Você provavelmente sentirá que a luz da lua o está envolvendo, quase como uma neblina. Não se assuste. As sensações podem variar, pois a magia acontece diferentemente para cada um. Diga:

"Amigo lobo, eu o chamo."
  
Respire profundamente novamente. Diga novamente:

"Amigo lobo, eu o chamo."

E respire. Vá fazendo isso, até que sinta a presença do lobo perto de você. Isso pode acontecer com um arrepio, uma brisa, um som de patas e farfalhar de folhas. Não abra os olhos! Confie! Quando sentir a presença dele, diga o seguinte (pode criar ou variar as palavras, conforme desejar):

"Amigo lobo, sofro por amar e sei que você, dentre todos os animais, pode me ajudar a superar esse momento. Guia-me, amigo lobo. Aceita ser meu companheiro nessa fase que tanto me dói. Serei para ti um grande amigo também, assim como para nossos irmãos."

  Nesse momento, você vai receber a resposta. Pode ser um latido distante, um roçar de pelos no seu corpo ou, e isso é lindo e inesquecível, um aquecer de seu coração como se alguém jogasse um mano quente quando você está congelando!... Qualquer uma dessas coisas é sinal de que ele aceitou seu pedido e, a partir de agora, caminhará ao seu lado e o ajudará a superar esse momento tão difícil. Curta por alguns instantes esse momento de comunhão, pois o que está acontecendo é a união do lobo com você. Algumas pessoas chegam a experimentar um êxtase.

     Abra os olhos e respire profundamente. Pegue um punhado da ração e coloque no chão.

"Eis minha oferenda ao espírito do lobo, meu amigo, guia e guardião."

        Derrame um pouco do leite no chão, dizendo a mesma coisa.

        Faça uma reverência para sair e uma oração de agradecimento. Pegue o restante da ração e do leite e procure cães que vivem na rua. Dê o alimento para quantos puder encontrar, até que termine. Se onde vive não há animais carentes na rua (será que existe?), pode dar a cães de casa também.
   Vá para casa e durma. Preste muita atenção em seus sonhos nessa noite, pois seu guardião poderá lhe trazer muitas sensações. Em geral, as pessoas sonham que estão abraçadas a um animal grande e quente, um lobo enorme e amigável ou um cão. Como eu disse, varia de pessoa para pessoa, mas este é um ritual que não traz sensações perturbadoras ou coisa assim.

Outras indicações:

   Este ritual também pode ser aplicado em situações de tensão e crises, quando a pessoa se sente só e perdida. Ele ajuda a conquistar aliados e a reencontrar o caminho. Como o lobo é conhecido por ser um guia entre mundos, este ritual também pode ser usado no caso da perda de uma pessoa querida. Em questão de dias (às vezes, horas), a pessoa (depois do ritual) se sentirá melhor e receberá ajuda visível e invisível para o que precisar.

Contra-indicações:

  Este guardião não é muito indicado para pessoas muito medrosas ou preguiçosas. O lobo é muito ativo e seria difícil para vocês dois acompanharem um ao outro. Também não é indicado para pessoas falsas. O lobo é sincero e detesta traição. Com a presença dele, é bem possível que suas mentiras venham à tona sem querer. O lobo é esperto e você pode usar isso a seu favor, mas jamais se volte contra os seus, pois antes de tudo, o lobo é extremamente leal.






Veja também:



 




Lobo e seu simbolismo mágico 

O lobo e seu simbolismo mágico


Para os nativos americanos, o lobo é um símbolo espiritual poderoso. Eles são considerados como professores "descobridores de trilhas". A estrela do lobo era vermelha , uma cor estimada, associada com o lobo por todas as tribos. Também conhecida como Sírius, ela é a estrela mais brilhante no céu do norte. A via láctea era o caminho do lobo - a rota para o paraíso. Com o tempo, o lobo também tornou-se associado dentre as quatro estações com o verão, entre as árvores com o salgueiro, e entre as grandes forças naturais com as nuvens.

        Os índios respeitavam a bravura do lobo como caçador, sua determinação, e a maneira como ele se movia silenciosamente pela paisagem. Eles ficavam emocionados com seu uivo, o qual eles algumas vezes consideravam como uma conversa com o mundo espiritual. O lobo aparece em muitas lendas como um mensageiro, um viajante de longa distância e um guia para qualquer um que esteja buscando o mundo espiritual. Ele era o presságio de novas idéias que retornavam ao clã para ensinar e compartilhar a medicina.
       O lobo é o grande professor. O lobo é o sábio, que após muitos invernos no caminho sagrado e buscando os caminhos da sabedoria, retorna para compartilhar seu conhecimento com a tribo. O lobo é tanto o radical quanto o tradicional na mesma respiração. Quando um lobo caminhar até você, você se lembrará.
Os mais velhos nos contam estórias sobre nosso início e de um tempo quando o ser humano apareceu na Terra. Foi o lobo que ensinou aos humanos os caminhos de viver em harmonia. Foi o lobo que nos ensinou como criar a comunidade sobre a Terra, pois os lobos têm um conhecimento intuitivo da ordem no meio do caos e eles possuem a habilidade para sobreviver à mudança, intactos.
      A medicina do lobo é muito antiga e nasceu da experiência da vida. O lobo olhará profundamente dentro de seu coração e compartilhará todo o seu conhecimento, mas exigirá participação total, e sinceridade absoluta.
        Quando um lobo se aproxima de você, a própria presença do lobo reacenderá antigas memórias dentro de sua alma. Através do atrito da experiência você reacende as fogueiras individuais da alma interior e questiona as manifestações da sua própria consciência. Você pode possuir uma coisa somente quando você vier a possuir a experiência emocional dela, e perceber a responsabilidade por sua criação. Então você estará livre para continuar. A medicina do lobo pode fazer você completo.
        Você retornará para o Lobo muitas vezes em sua vida à medida em que você completar e iniciar seus ciclos de experiências e buscar a verdade interior.

fonte:http://sabedoria.indigena.tripod.com/animais_sagrados.htm








       Com a fama de mau perseguindo-o durante a Idade Média, os lobos foram caçados e mortos, até beirarem a extinção. Em várias culturas, eles eram ligados à bruxaria e acreditava-se que bruxas podiam se transformar em lobos. Da mesma forma, em alguns lugares, acreditavam que vampiros podiam assumir a forma lupina.
     O lado negativo do lobo assombrou mentalidades da antiguidade. Na mitologia greco-latina, a loba de Mormoliceu, ama-de-leite de Aqueronte, era usada para assustar as crianças. O conto europeu da Chapeuzinho Vermelho também nos deixa o legado de temer o "lobo mau", nos fazendo crer que não há outro lobo, senão o mau. Hades, o senhos dos Infernos, se utiliza de uma capa de pele de lobo. O deus da morte dos etruscos é representado com orelhas de lobo. Nos tempos negros em que se sacrificavam humanos a Zeus por melhores colheitas, o deus assumia a forma lupina. Enquantos os bruxos e bruxas se transformavam em lobos para irem aos Sabás, na Espanha o lobo era conhecido como a montaria dos feiticeiros. Na mitologia nórdica, Fenrir é o lobo gigante, um dos mais implacáveis inimigos dos deuses. Sua corrida é tão poderosa que somente a magia dos anões pode detê-lo (eles se utilizam de uma fita mágica que ninguém pode romper). Na mitologia Egípcia, Anúbis é chamado de Impu, "aquele que tem a forma de um cão selvagem". Em Cinópolis, é venerado como o deus dos infernos. Da mesma forma, os algonquinos (povo indígena do Sul do Canadá) vêem o lobo como uma criatura intermediária entre a natureza divina e humana, senhor do reino dos mortos no Ocidente.
     Para muitos povos, o lobo se tornou assustador por seu papel psicopompo. Psicopompo é como a mitologia antiga chama o condutor das almas dos mortos, título de Hermes, Caronte, Apolo, Orfeu e Anúbis, dentre tantos outros. A morte sempre assustou os homens! Era o sinal de que seu tempo acabou e que ele não fez metade do que deveria ter feito.
...
  O lobo e sua goela negra é o o símbolo do fim, da passagem e dos perigos. Para os peregrinos muçulmanos, ele é um dos obstáculos em seu caminho para Meca, podendo assumir a forma bestial e mostruosa da besta do Apocalipse. Mas será que o lobo é tão mau?
   A verdade é que o lobo representa nossa ligação com a natureza e com a magia. Vivendo na floresta, ele despertava o medo de se cruzar a linha entre o conhecido e o desconhecido, representado tanto pela vida quanto pela morte como pelo físico e espiritual. Não é absurdo que ele tenha sido ligado às feiticeiras e bruxos. É natural que eles acompanhassem sua natureza mágica.
   Apesar do lado ruim do lobo ter sido o que ficou na memória do povo, ele também esteve presente na mitologia como guardião, guerreiro, herói e companheiro, nosso ancestral mítico.
...
   Para a China, a estrela Sírius é o lobo celeste, guardião do Palácio celeste (Ursa Maior). No Japão ele é inocado para guardar locais. O simbolismo da proteção também surge na loba de Rômulo e Remo, que também remete à fecundidade. Na Sibéria, Turquia, Anatólia, a loba é invocada para dar fecundidade às mulheres.
   O lobo traz em si a magia e o desconhecido. Ao mesmo tempo, ele representa o sentido de união. Lobos caçam em grupo e, como os cães, gostam de brincar. São fiéis. Possuem apenas um parceiro por toda a vida. Não uivam para a lua, apenas uivam. Uivam para marca o território, para lamentar uma perda, para pedir ajuda ou simplesmente por diversão. Atualmente, cada vez mais pessoas simpatizam com a figura do lobo. É um efeito colateral da espiritualização da humanidade, que quanto mais se volta para a luz do conhecimento, mais se afasta da escuridão da ignorância.
    O lobo possui a ferocidade quando protege. Por isso é tão temido. Pode realmente ser uma fera assassina se o que ele guarda for ameaçado. Por isso é tão difícil atacar pessoas com esse animal como totem. É um dos melhores guardiões e companheiros que alguém pode ter. Magicamente, ele é o mestre, o professor, o que guarda segredos ancestrais que só compartilhará com os que não tiverem medo.
    Ele é chamado em rituais para ajudar em questões de aprendizado e é o símbolo do amor e do relacionamento harmoniozo. Sua ligação com a lua ajuda no combate ao medo e a síndrome do pânico. Trabalhar com o lobo ajuda a vencer esse medo, a confiar nos instintos e a viver em equilíbrio. Sua ferocidade também é útil quando precisamos lutar contra pensamentos e/ou sentimentos que nos fazem mal (essa é a maior das batalhas, acredite).
    O espírito do lobo nos ajuda a conquistar nosso lugar, a defender nosso espaço. Ele também é um excelente guia e guardião em viagens, sejam terrenas, sejam astrais ou espirituais. Ele é geralmente o animal totem de líderes espirituais, motivadores, professores, instrutores, consultores e pessoas que precisam guiar ou ensinar outras. Ele dá visão criativa, leveza de espírito, ajuda a combater conflitos entre familiares, amigos ou colegas de trabalho. É também o animal da esperteza e do amor romântico, da fidelidade e da habilidade de liderar.

Fonte: Texto retirado do livro Wicca - Animal Totem, o poder do espírito guardião, de Eddie Van Feu, Editora Modus.



Veja também:











Ritual do lobo para um coração partido

quarta-feira, 22 de maio de 2013

O povo cigano

Ciganos é um exônimo para roma (singular: rom; em português, "homem") e designa um conjunto de populações nômades que têm, em comum, a origem indiana e uma língua (o romani) originária do noroeste do subcontinente indiano. Também são conhecidos, em português, pelos termos boêmios, gitanos, calons, e quicos.
Essas populações constituem minorias étnicas em inúmeros países do mundo e são conhecidas por vários exônimos. O endônimo "rom" foi adotado pela "União Romani Internacional" (em romani: Romano Internacionalno Jekhetanipe) e pela Organização das Nações Unidas.
Na Europa, esses povos, de origem indiana e língua romani, são subdivididos em diversos grupos étnicos:

    Rom (singular) ou roma (plural) propriamente ditos, presentes na Europa centro-oriental e, a partir do século XIX, também em outros países europeus e nas Américas;
    Sinti, encontrados na Alemanha, bem como em áreas germanófonas da Itália e da França, onde também são chamados manoush;
    Caló, os ciganos da península Ibérica, embora também presentes em outros países da Europa e na América, incluído o Brasil.
    Romnichals, principalmente presentes no Reino Unido, inclusive colônias britânicas, nos Estados Unidos e na Austrália.

Além de migrarem voluntariamente, esses grupos também foram historicamente submetidos a processos de deportação, subdividindo-se vários clãs, denominados segundo antigas profissões procedência geográfica, que falam línguas ou dialetos diferentes.



História


Em razão da ausência de uma história escrita, a origem e a história inicial dos povos roma foram um mistério por muito tempo. Até meados do século XVIII, teorias da origem dos roma se limitavam a especulações. No final do século, antropólogos culturais levantaram a hipótese da origem indiana dos roma, baseada na evidência linguística - o que foi posteriormente confirmado pelos dados genéticos.
Em 1777, Johann Christian Cristoph Rüdiger, professor da Universidade de Halle, na Alemanha, em carta ao linguista Hartwig Bacmeister, sugere uma possível ligação entre o romani e as línguas da Índia. Rüdiger baseava suas conjecturas em pistas fornecidas pelo próprio Bacmeister e por seu professor, Christian Büttner, mas também na sua própria pesquisa, realizada com a ajuda de uma falante de romani, Barbara Makelin, e apoiada em gramáticas hindustani. A hipótese teve ampla circulação entre seus colegas acadêmicos. Em 1782, Rüdiger publicou um artigo intitulado "Sobre o idioma indiano e a origem dos ciganos",no qual compara as estruturas gramaticais do romani com as do hindustani. Trabalhos seguintes deram apoio à hipótese de que a língua romani possuía a mesma origem das línguas indo-arianas do norte da Índia. Baseado no dialeto sinti, este é o primeiro esboço gramatical acerca de uma variedade do romani, e é também a primeira comparação sistemática do romani com outra língua indo-ariana.


Origem e migrações


Os roma originaram-se de populações do noroeste do subcontinente indiano, das regiões do Punjab e do Rajastão, obrigadas a emigrar em direção ao ocidente, possivelmente em ondas, entre c. 500 e c. 1000 d.C.. Iniciaram a sua migração para a Europa e África do Norte, pelo planalto iraniano, no século XI, por volta de 1050. A saída da Índia provavelmente ocorreu no contexto das invasões do sultão Mahmud de Ghazni (região do atual Afeganistão).Mahmud fez várias incursões no norte da Índia, capturando os povos que ali viviam. Segundo o antropólogo José Pereira Bastos, professor da Universidade Nova de Lisboa, no inverno de 1019 - 1020, o sultão saqueou a cidade sagrada de Kannauj, que era então "uma das mais antigas e letradas da Índia, capturando milhares de pessoas, e vendendo-as em seguida aos persas". Estes, por sua vez, venderam os prisioneiros como escravos na Europa. No Leste Europeu, cerca de 2.300 deles foram para a zona dos principados cristãos ortodoxos da Transilvânia e da Moldávia, onde foram convertidos em escravos do príncipe, dos conventos e dos latifundiários.
Por volta do século XI a língua romani apresenta claros traços de línguas indo-arianas modernas.
Já no século XIV, devido à conquista territorial e política de estados indianos, muitas caravanas rom partiram para a Europa, Oriente Médio e Norte da África. É segunda onda migratória, que os roma denominam Aresajipe. Um primeiro grupo tomou rumo oeste e atingiu a Europa através da Grécia; o segundo partiu para o sul, adentrando o Império Bizantino e chegando à Síria, Egito e Palestina.

Na Europa, em razão de clivagens internas e da interação com as várias populações europeias, os roma emergiram como um conjunto de grupos étnicos distintos, dentro de um conjunto maior. Alguns desses grupos foram escravizados nos Bálcãs, no território da atual Romênia, enquanto outros puderam se movimentar, espalhando-se principalmente pela Hungria, Áustria e Boêmia, chegando à Alemanha em 1417. Em 1422 chegam a Bolonha. Em 1428, já havia ciganos na França e na Suíça. Em 1500, surgiram os primeiros ciganos ingleses.

A terceira onda migratória deu-se entre o século XIX e início do século XX, da Europa para as Américas, após a abolição da servidão na Europa Oriental, entre 1856 e 1864. Alguns estudiosos apontam ainda a ocorrência de uma outra grande migração, proveniente da Europa Oriental, desde a queda do Muro de Berlim.


Perseguições



Durante as perseguições do século XV, contra judeus e muçulmanos, começa também a caça aos ciganos. Segundo o antropólogo José Pereira Bastos, professor da Universidade Nova de Lisboa, "eram considerados vagabundos e delinquentes. Na Alemanha e nos Países Baixos, eram exterminados a tiros por caçadores pagos por cabeça. Na Europa, o propósito de extermínio dos ciganos sempre foi muito claro".Os anos de 1555 e 1780 são particularmente marcados por atos de violência contra os ciganos, em vários países.

A falta de uma ligação histórica precisa a uma pátria definida ou a uma origem segura não permitia que fossem reconhecidos como grupo étnico bem individualizado, ainda que por longo tempo tenham sido qualificados como egípcios. O clima de suspeitas e preconceitos se percebe no florescimento de lendas e provérbios tendendo a pôr os roma sob mau prisma, a ponto de recorrer-se à Bíblia para considerá-los descendentes de Caim, e portanto, malditos.Difundiu-se também a lenda de que eles teriam fabricado os pregos que serviram para crucificar Jesus (ou, segundo outra versão, que eles teriam roubado o quarto prego, tornando assim mais dolorosa a crucificação). Caracterizados pelo nomadismo, o modo de vida dos ciganos e suas condições de subsistência são sempre determinados pelo país em que se encontram: os mais ricos são os ciganos suecos e os mais pobres encontram-se nos Bálcãs e no sul da Espanha.
Embora mantendo sua identidade, em alguns aspectos os roma revelam grande capacidade de integração cultural: sempre professam a religião local dominante, da mesma forma que suas danças, músicas, narrativas e provérbios manifestam a assimilação da cultura no meio em que vivem. Sua capacidade de assimilar a música folclórica permitiu que muitas peças fossem salvas do esquecimento, principalmente as do Oeste Europeu.
Durante a Segunda Guerra Mundial, entre duzentos e quinhentos mil ciganos europeus teriam sido exterminados nos campos de concentração nazistas. Entre os roma, o massacre é denominado de porajmos e começou a ser recuperado pela historiografia apenas a partir dos anos 1970.


Religião


Os roma não têm uma religião própria, um deus próprio, sacerdotes ou cultos originais. Parece singular o fato de que um povo não tenha cultivado, no decorrer dos séculos, crenças em uma divindade particular, nem mesmo primitiva, do tipo antropomórfico ou totêmico. O mundo do sobrenatural é constituído pela presença de uma força benéfica, Del ou Devél, e de uma força maléfica, Beng, contrapostas, numa espécie de zoroastrismo, provável resíduo de influências que esta crença teve sobre grupos que, em época remota, atravessaram o Irã. Ademais, as crenças ciganas incluem uma série de entidades, cuja presença se manifesta sobretudo à noite. Mas, em geral, os roma parecem ter-se adaptado, ao longo da história, às confissões vigentes nos países que os hospedaram, embora sua adesão pareça ser exterior e superficial, com maior atenção aos aspectos coreográficos das cerimônias, como as procissões e as peregrinações, próprias de uma religiosidade popular, sobretudo católica.


Cultura


Os roma não representam, como já se salientou, um povo compacto e homogêneo. Mesmo pertencendo a uma única etnia, existe a hipótese de que a migração desde a Índia tenha sido fracionada no tempo e que, desde a origem, eles fossem divididos em grupos e subgrupos, falando dialetos diferentes, ainda que afins entre si. O acréscimo de componentes léxicos e sintáticos das línguas faladas nos países que atravessaram no decorrer dos séculos acentuou fortemente tal diversificação, a tal ponto que podem ser tranquilamente definidos como dois grupos separados, que reúnem subgrupos muitas vezes em evidente contraste social entre si.
As diferenças de vida, a forte vocação ao nomadismo de alguns, contra a tendência à sedentarização de outros pode gerar uma série de contrastes que não se limitam a uma simples incapacidade de conviver pacificamente. Em linhas gerais poder-se-ia afirmar que os sintos são menos conservadores e tendem a esquecer com maior rapidez a cultura ancestral. Talvez este fato não seja recente, mas de qualquer modo é atribuído às condições socioculturais nas quais por longo tempo viveram.
Quanto aos roma de imigração mais recente, nota-se, ao invés, uma maior tendência à conservação das tradições, da língua e dos costumes próprios dos diversos subgrupos. Sua origem, de países essencialmente agrícolas do leste europeu, favoreceu certamente a conservação de modos de vida tradicionais. Antigamente, era muito respeitado o período da gravidez e o tempo sucessivo ao nascimento do herdeiro; havia o conceito da impureza ligada ao nascimento, com várias proibições para a parturiente. O aleitamento ainda dura muito tempo, às vezes se prolongando por alguns anos.
No casamento, tende-se a escolher o cônjuge dentro do próprio grupo ou subgrupo, com notáveis vantagens econômicas. É possível a um rom casar-se com uma gadjí, isto é, uma mulher não-rom, a qual deverá porém submeter-se às regras e às tradições rom. Vige naturalmente o dote. No grupo dos sintos, geralmente o casamento é precedido pela fuga do casal. Aos filhos é dada uma grande liberdade, mesmo porque logo deverão contribuir com o sustento da família e com o cuidado dos menores. No que se refere à morte e aos ritos a ela conexos, o luto pelo desaparecimento de um companheiro dura em geral muito tempo. Entre os sintos parece prevalecer o costume de se queimar a kampína (o trailer) e os objetos pertencentes ao morto. Entre os ritos fúnebres praticados pelos roma está a pomána, banquete fúnebre no qual se celebra o aniversário da morte de uma pessoa. A abundância de alimento e bebidas exprime o desejo de paz e felicidade para o defunto.
Além da família extensa, entre os roma encontramos a kumpánia, ou seja, o conjunto de várias famílias (não necessariamente unidas entre si por laços de parentesco) mas todas pertencentes ao mesmo grupo, ao mesmo subgrupo ou a subgrupos afins.

O nômade é por sua própria natureza individualista e mal suporta a presença de um chefe: se tal figura não existe entre os roma, é entretanto devido o respeito para com os mais velhos, que sempre são solicitados a dirimir eventuais controvérsias.
Entre os roma, a máxima autoridade judiciária é constituída pelo krisnitóri, isto é, por aquele que preside a kris. A kris é um verdadeiro tribunal rom, constituído pelos membros mais velhos do grupo, que se reúne em casos especiais, para resolver problemas delicados, envolvendo controvérsias matrimoniais ou ações que resultem em danos a membros do grupo. Na kris podem participar também as mulheres, que são admitidas para falar. A decisão cabe aos anciãos designados, presididos pelo krisnitóri. Ouvidas as partes litigantes, é punida a parte culpada.

Em tempos recentes a controvérsia se resolve, em geral, com o pagamento de uma soma proporcional ao tamanho da culpa. No passado, se a culpa era particularmente grave, a punição podia consistir no afastamento do grupo ou, às vezes, em castigos corporais.

Santa Sara ou Cigana Sara


Santa Sara Kali é a padroeira dos roma (ciganos).
O seu nome, tal como o de Sara no Antigo Testamento, pode ser um nome hebraico que indica uma mulher de alta sociedade, que algumas vezes é traduzido como “princesa” e outras “senhora”. Já o epíteto Kali deve significar "negra", da língua indiana sânscrito, pela sua tez ser escura. Seu culto se liga ao das Virgens Negras.
As lendas a identificam como a serva de uma das três mulheres de nome Maria que estavam presentes à crucificação de Jesus.
   
Algumas falam que ela seria serva e parteira auxiliar de Maria, e que Jesus, por esta te-lo trazido ao mundo, teria uma alta estima por ela. Outras, que era serva de Maria Madalena. Seu centro de culto é a cidade de Saintes-Maries-de-la-Mer, na França, onde ela teria chegado junto com Maria Jacobina, irmã de Maria, mãe de Jesus, Maria Salomé, mãe dos apóstolos Tiago e João, Maria Madalena, Marta, Lázaro e Maxíminio. Eles teriam sido jogados no mar em um barco sem remos nem provisões, e Sara teria rezado e prometido que se chegassem a salvo em algum lugar ela passaria o resto de seus dias com a cabeça coberta por um lenço. Eles depois disso chegaram a Saintes-Maries, onde algumas lendas dizem, foram amparadas por um grupo de ciganos.
A imagem de Santa Sara fica na cripta da igreja de Saint Michel, onde estariam depositados seus ossos.

Fontes variam: se sua canonização consta de 1712, ou se é uma santa regional. Sua festa é celebrada nos dias 24 e 25 de maio, reunindo ciganos de todo o mundo.
Sua imagem é coberta de lenços, sendo ela uma protetora da maternidade. Mulheres (romi) que não conseguem engravidar e mulheres que pedem por um bom parto, ao terem seus pedidos atendidos, depositam aos seus pés um lenço (diklô). Centenas de lenços se acumulam aos seus pés.
As pessoas fazem todo tipo de pedido para Santa Sara, por sua fama de atender todos os que depositam verdadeira fé nela. Santa Sara é a santa dos desesperados, dos ofendidos e dos desamparados.

Oração a cigana Sara


Opacha, Opcha, minha Sta.Sara Kali, mãe de todas as tribos ciganas dessa Terra ou do além túmulo.
Mãe de todos os ciganos e protetora das carruagens ciganas.
Rezo invocando teu poder, minha poderosa Sta. Sara Kali, para que abrande meu coração e tire as angústias que depositaram aos meus pés. Santa Sara me ajude!
Abra meus caminhos para a fé no teu poder milagrosos.
Venceste o mal, todas as tempestades e caminhou nas estradas que Jesus Cristo andou.
Mãe dos mistérios ciganos que dá força a todos os ciganos no dom da magia, me fortaleça agora, sendo eu cigano ou não cigano, bondosa.
Santa Sara,abrande os leões que rugem para me devorar.
Santa Sara, afugente as almas perversas para que não possam me enxergar.
Ilumine minha tristeza para a felicidade chegar, Rainha.
Atravessaste as águas dos rios e do mar por cima delas e não afundaste, eu invoco teu poder para eu não afundar no oceano da vida.
Santa Sara, sou pecador, triste, sofrido e amargurado.
Me traga força e coragem, como dás ao Povo Cigano teus protegidos, Mãe, Senhora e Rainha das Festas Ciganas .
Nada se pode fazer numa Tenda Cigana sem primeiro invocar teu nome, e eu invoco pelo meu pedido Santa Sara Kali.
Tocam os violinos,caem as moedas, dançam as ciganas de pés descalços em volta da fogueira, vem o cheiro forte dos perfumes ciganos, as palmas batendo, louvando o Povo de Santa Sara Kali.
Salve o povo cigano.

Cigana Carmem



CIGANA CARMEM – vibração na cor vermelha - trabalha sob a mestria de Mestra Nada - dia da semana sexa-feira.


É a protetora dos que sofrem de mal de amor, é a que acolhe e consola os abandonados. É natural da Espanha, viajou por quase todos os países de idioma hispânico, inspirou vários amores. Amorosa e determinada auxilia em casos de amores impossíveis (mal do qual também já foi vítima). Linda, vaidosa e grande dançarina de flamenco.

Resolve com suas magias casos de abandono, tira rivais do caminho e harmoniza casais. Prefere os médiuns ciganos, mesmo assim entra na aura de alguns gadjós usando outros nomes, conforme a linha.

Sua grande magia é para unir casais para que vivam intensamente o amor. Ela faz com uma maçã bem vermelha, mel, 3 fitas rosas e um quartzo rosa. Carmem, abre a maçã e retira o miolo, e deixa uma pequena tampa, coloca o nome dos amantes escritos em um papel (em forma de cruz), joga bastante mel e fecha, amarrando a maçã com as fitas. Depois coloca o quartzo rosa em cima. E diz:

“Pelo poder da maçã, pela força etérica do cristal e do mel, que estas fitas astrais amarrem fulano e fulana. Serão tão doces, viverão juntos e amarão um ao outro. Pelo poder da magia cigana, como a lua e a noite que nunca se separarão, está feito este feitiço de amor em nome de Devel. Amém”.

A maçã pode ser enterrada ao pé de uma árvore frutífera ou guardada num vidro escondido.

Fonte: Baralho Cigano

Cigana Sulamita

CIGANA SULAMITA – vibração na cor azul claro sob a mestria de Mestre El Morya - dia da semana domingo.

É a protetora de mulheres grávidas, a que “toma conta” de partos difíceis. Esta cigana é natural de uma região entre França e Borgonha. Viveu muitos anos em Espanha e Itália. Viajou por muitos lugares, Portugal, Índia, Egito e outros. Em verdade trás um pouco de cada um destes países no seu coração. De espírito vívido, é faceira, admirada por todos que a vêem, principalmente o sexo oposto. Boa, generosa é também geniosa ao extremo é capaz de ataques de fúria. Autorizada a entrar na aura de não ciganos, deixa sua mensagem e faz diversos trabalhos de magia.

Suas magias geralmente são feitas com frutas. Mas a principal é para desamarrar parto difícil. Sulamita faz assim: Ela enterra uns ovos crus com cuidado na terra, em vaso ou chão, em frente da porta onde mora a grávida. Coloca em cima vários doces brancos e chama diversos espíritos ciganos e de outras linhas para fazer uma corrente de força. Os ovos são desenterrados quando a mulher dá a luz sem perigo, então estes ovos são quebrados, simbolizando que ela esta quebrando todo o mal. Para que nada aconteça à mãe e o bebê.

Obs.: Diz esta cigana que em uma de suas encarnações morreu de parto, e quase toda segurança dela é enterrada para evitar problemas nos locais onde trabalha.





Fonte:Baralho Cigano

Cigana Esmeralda


vibração na cor verde - trabalha sob a mestria de Mestre Hilarion - dia da semana quinta-feira.


Esta cigana é protetora da fartura de alimentos, é feiticeira na preparação de comidas, São as que fazem feitiços que são comidos para vários tipos de objetivos.

Essa cigana é natural de Portugal/Évora. Viajou por toda a Europa, aprendendo pratos e aperfeiçoando suas magias.
As magias de Esmeralda são duradouras e quando chega geralmente tem banquete, que por vezes é ela mesma quem faz. Exímia usuária de tachos (utensílios de cozinha) e facas, com as quais destrincha, corta e cozinha. Para ela não pode faltar uma colher de pau e uma faca afiada com bainha, que carrega em sua bolsa para o caso de necessidade.

É festeira, risonha, matrona, mandona e não aceita não como resposta. Grande doceira da magia cigana é perigosa e deve ser tratada com muito amor e cuidado.

Faça um pote para que nada falte à sua casa. Apanhe uma bomboniere pequena e coloque uma pouco de cada um destes grãos e sementes: ervilha, lentilha, arroz com casca, amendoim, grão de bico, trigo em grão. Coloque por cima 3 moedas atuais com o valor virado para cima, e um quartzo citrino no meio. Deixe energizando por 3 dias na lua crescente e peça a força da lua e dos grãos que nada falte ao seu lar. Ponha em um móvel de sua casa em algum lugar alto como se fosse um bibelô. Assim fazendo esteja certo que nunca alimentos faltarão no seu lar.

Fonte: Baralho Cigano
Visite o site Baralho Cigano e conheça um pouco mais sobre esse povo tão encantador e misterioso, os ciganos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Wordpress Theme by wpthemescreator .
Converted To Blogger Template by Anshul .