terça-feira, 26 de novembro de 2013

A mulher e a deusa na religião




A primeira manifestação da relação entre a mulher e religião foi a adoração da Deusa Mãe ou Mãe Terra, o primeiro sentimento religioso da humanidade, concomitante a estrutura social da sociedade matriarcal.

Pré-História e História Antiga


As civilizações antigas (Elam, Creta, Suméria, Egito, Babilônia, Grécia, Roma, entre outras) foram prolixas1 em cultuar a mulher e a feminilidade na figura de deusas (horas, erínias, moiras, musas), sacerdotisas (Enheduana, Diotima de Mantinea, Temistocléia) sábias, filósofas, matemáticas (Hipátia de Alexandria, Theano, Damo), pitonisas (Pítia), amazonas (ou guerreiras). Este culto insere-se dentro de um contexto social e religioso cujas raízes remontam aos registros pré-históricos do Paleolítico e do Neolítico ou ainda a uma fase informe do mundo, quando surgiu o primeiro sentimento religioso da humanidade, que era o de adoração à Deusa Mãe ou Mãe Terra : a religião se expressava pela adoração à Terra, às águas, à Natureza, aos ciclos e à fertilidade. Inúmeros autores consideram que o longo período, que se estendeu da Pré-história às civlizações pré-helênicas, e que foi caracterizado pela adoração à Deusa mãe, teria sido concomitante a uma estrutura social na qual o elemento feminino era preponderante, isto é, uma matriarcado.

Segundo J. J. Bachofen, a hipótese de clãs matriarcais pode ser confirmada pela descrição da trajetória da economia do período paleolítico (2.6 milhões de anos a 10.000 a.C.), caracterizado por caçador-coletor, isto é, atividade 80% de recolha daquilo que a natureza fornece espontaneamente. Esta atividade precede a revolução neolítica (10.000 a 3.000 a.C.) e a consequente sedentarização, que levou à consolidação das civilizações agrícolas pelas mulheres, do Egito e da Mesopotâmia, entre outras; a atividade belicosa da pecuária ou domesticação, período de consolidação do patriarcado, foi uma evolução posterior das civilizações.

Esta abordagem mítico-religiosa de uma religião matriarcal prevaleceu entre as civilizações antigas e nos respectivos mitos. Descobertas arqueológicas revelam a existência de arte rupestre e de estatuetas de culto ao corpo feminino, à fertilidade e com isso à noção de origem da vida e do mundo.As mais antigas noções de criação se originavam da idéia básica do nascimento, que consistia na única origem possível das coisas e esta condição prévia do caos primordial foi extraída diretamente da teoria arcaica de que o útero cheio de sangue era capaz de criar magicamente a prole. Acreditava-se que a partir do sangue divino do útero e através de um movimento, dança ou ritmo cardíaco, que agitasse este sangue, surgissem os "frutos", a própria maternidade. Essa é uma das razões pelas quais as danças das mulheres primitivas eram repletas em movimentos pélvicos e abdominais, que mais tarde ficaram conhecidos como dança do ventre. Muitas tradições referiram o princípio do coração materno que detém todo o poder da criação. Este coração materno, "uma energia capaz de coagular o caos espumoso" organizou, separou e definou os elementos que compõem e produzem o cosmos; a esta energia organizadora os gregos deram o nome de Diakosmos, a Determinação da Deusa.
Religião: da Deusa a Deus

Os egípcios, nos hieróglifos, chamaram este coração de ab ou ib esta palavra também foi usada para chamar de pai o Deus dos hebreus.Segundo alguns estudos, acredita-se que o patriarcalismo consolidado pelos hebreus deveu-se a diversos fatores: constantes deslocamentos territoriais e posterior necessidade de sedentarização, e com isso à divisão entre público e privado, além de organização militar e limites territorias, a atividade belicosa de pastoreio de gado bovino e caprino  , as constantes perseguições religiosas que desencadeavam o nomadismo e a perda de identidade territorial. A despeito da deliberação cultural para instituir uma cultura patriarcal, a etimologia revela que ab são as duas primeiras letras do alfabeto hebraico e grego, respectivamente: a=aleph e alpha ou no hebraico pai; e b=bet e beta ou no hebarico útero ou casa e é uma palavra feminina. A união destas compõe a própria palavra alfabeto ou A Palavra, ou o Verbo, segundo a Bíblia, ou o próprio Deus ou, dentro desta concepção hebraica, pai e mãe.

Segundo a religião egípcia, a parte mais importante da alma era o Ib (jb) ou coração. O Ib, ou coração metafísico, era concebido como uma gota do coração da mãe para a criança durante a concepção.Achados arqueológicos da iconografia egípcia retratam esta concepção com a imagem de uma pessoa que é encaminhada pela deusa Maat após a morte para a pesagem da alma. Assim, dentro de uma concepção egípcia, o ab é o coração da deusa ou mãe e o significado da palavra maat é Verdade.
Origens pagãs do Cristianismo
Ver artigo principal: Árvore da Vida (Bíblia)

Diversos autores modernos analisam a estória da criação do "Gênesis" sob uma perspectiva não-cristã a qual seria definir a Bíblia como uma narrativa alegórica sobre a divindade hebraica Yavé suplantando a religião da Deusa mãe, representada pela árvore da vida. Isto é demonstrado na passagem sobre a origem do pecado em que o conhecimento proibido relaciona-se a sexo, sexualidade e reprodução, especialmente o conhecimento de que os homens participam da reprodução e que a estória descreve o processo pelo qual sociedades matriarcais tradicionais foram substituidas por sociedades patriarcais.

Estes autores argumentam que várias religiões do Oriente Próximo representavam a Deusa mãe por uma serpente e outras por uma simbologia de comunhão realizada pelo ato de comer uma fruta de uma árvore que crescesse perto do altar dedicado à Deusa; estes cultos pagãos seriam a fonte histórica da narração bíblica.
Reia, para os gregos, a mãe de todos os deuses, ladeada por dois leões; a palavra significa terra ou fluxo (referindo-se ao sangue menstrual).
Cibele da Anatólia, Divindade no trono e ladeada por duas leoas, do sítio arqueológico de Çatalhöyük.

Inúmeros sítios arqueológicos da pré-histórica às civilizações pré-helênicas, tal como registrada no sítio de Çatalhüyük, e a mitologia pagã confirmam esta origem do culto à´Deusa mãe. A estatueta feminina que ficou conhecida como a Cibele da Anatólia, datada de 6.000 a.C., exibe uma Deusa Mãe corpulenta e em aparentemente processo de dar à luz. Sentada num trono e ladeada por duas leoas, a estatueta foi encontrada num compartimento de estocagem de grãos, o qual, segundo arqueólogos, sugere uma maneira de proteger (como um amuleto, ou objeto de cunho religioso) a colheita ou o suprimento de alimentos. As pegadas do culto à Deusa mãe são assim encontradas desde épocas imemoriais até os tempos áureos das civilizações antigas.

As mais recentes descobertas de uma religião humana remontam inicialmente ao culto aos mortos (300.000 a.C.), e ao intenso culto da cor vermelha ou ocre associado ao sangue menstrual e ao poder de dar a vida. Na mitologia grega, a chamada mãe de todos os deuses, a deusa Reia (ou Cibele, entre os romanos), também representada pela imagem de uma mulher ladeada por duas leoas, exprime este culto na própria etimologia: Reia significa terra ou fluxo. Campbell argumenta que Adão, do hebraico אדם relacionado tanto a adamá ou solo vermelho ou do barro vermelho, quanto a adom ou vermelho, e dam, sangue, foi criado a partir do barro vermelho ou argila. A identidade da religião com a Mãe terra, a fertilidade, a origem da vida e da manutenção da mesma com a mulher, seria, segundo Campbell, retratada também na Bíblia: a santidade da terra, em si, porque ela é o corpo da Deusa. Ao criar, Jeová cria o homem a partir da terra [da Deusa], do barro, e sopra vida no corpo já formado. Ele próprio não está ali, presente, nessa forma. Mas a Deusa está ali dentro, assim como continua aqui fora. O corpo de cada um é feito do corpo dela. Nessas mitologias dá se o reconhecimento dessa espécie de identidade universal.

Segundo Walter Burkert, um dos mais respeitados arqueólogos da Antiguidade: As deusas do politeísmo grego, tão diferentes e complementares, são ainda assim consistentemente similares numa etapa inicial, com uma ou outra simplesmente convertendo-se em dominante em um santuário ou cidade. Cada uma é a Grande Deusa presidindo sobre uma sociedade masculina, cada uma é representada em seu aspecto de Potnia Theron ou 'Senhora dos Animais', incluindo Hera e Deméter. Ou ainda: Em particular, parece que uma antiga deusa grega, especialmente 'qua' 'Senhora dos Animais' foi individualizada na Grécia sob várias formas, como Hera, Ártemis, Afrodite, Deméter, e Atena; e acrescenta: A idéia de uma Senhora dos Animais é amplamente disseminada na Grécia e é muito possível que tenha origens no Paleolítico; na religião oficial grega isso sobrevive no minimo para além do folclórico (Burkert 1985, p. 154, 172).

Do matriarcado ao patriarcado


A mitologia grega apresenta Apolo matando asacerdotisa Píton, e dividindo seu corpo em dois, como uma ação necessária para se tornar dono do oráculo de Delfos28 . Na mitologia babilônica a morte da deusa Tiamat pelo deus Marduk, que divide seu corpo em dois, é considerada um grande exemplo de como correu a mudança de poder do matriarcado ao patriarcado: "Tiamat, a Deusa Serpente do Caos e das Trevas, é combatida por Marduk, deus da Justiça e da Luz. Isto indica a mudança do matriarcado para o patriarcado que obviamente ocorreu".
    

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Você sabe o que é feitiçaria?

     Feitiçaria designa a prática ou celebração de rituais, orações ou cultos com ou sem uso de amuletos ou talismãs (objectos ao qual são atribuídos poderes mágicos), por parte de adeptos do ocultismo com vista à obtenção de resultados, favores ou objectivos que, regra geral, não são da vontade de terceiros.

Pode estar relacionada com cultos às forças da natureza ou aos antepassados já falecidos, sendo que está também frequentemente relacionada com o uso de artes consideradas mágicas, à invocação de entidades , como por exemplo, espíritos, deuses, gênios ou demônios, ou o emprego de diversas formas de adivinhação.

Os praticantes e líderes da feitiçaria, designados de feiticeiros, gozavam de uma considerável influência social em diversas comunidades, sendo encarados como líderes religiosos ou conselheiros.

Xamanismo



Nas culturas xamânicas, o xamã (sacerdote feiticeiro) se diferencia dos demais magos, curandeiros ou feiticeiros, pela forma de comunicação com o Mundo dos Espíritos. Num estado de transe, o xamã transporta-se para outros planos (o chamado “voo mágico”), enquanto os outros invocam os Espíritos para seus rituais e trabalhos mágicos. O xamã é escolhido por um “chamamento”, por herança ou por aprendizagem. Logo após a sua escolha, entra num estado alterado de consciência similar ao coma profundo, no qual é levado para a caverna dos antepassados. É então concedido a ele o direito de cura de todas as doenças.


Vodu


O Vodu é uma tradição afro-derivada recheada de elementos de feitiçaria vudu, ao passo que cultuam os lwas (da categoria Rada, equivalentes des Orixás), também reconhecem deidades nativas das terras do Haiti (da categoria Petro), estando acima destas categorias o Casal Supremo, Dambalah e Aiyda Wedo, as duas serpentes celestiais. Vários elementos da feitiçaria européia encontram solo comum nesta tradição, em uma influência de mão dupla. A imagem preconcebida de que o Vudu é apenas um conjunto de rituais de “magia negra” foi propagada por colonizadores europeus e, mais tarde, pela indústria de Hollywood, tanto por racismo como por sensacionalismo. Os rituais de invocação de demônios por parte de algumas pessoas, são considerados um desvio da realidade.

Conceito de feitiçaria conforme a Bruxaria


Feitiço é o gênero de magia cujo objetivo é interferir no estado mental, astral, físico e/ou na percepção que outra pessoa tem da realidade. O uso de forças, entidades e/ou energias não pertencentes ao plano físico para interferir no plano físico é magia mas não é feitiçaria, tendo fins muito diversos da interferência no estado mental, astral, físico e/ou na percepção que o sujeito tem da realidade. Cumpre ainda acrescentar que, sendo um dos princípios lapidares da bruxaria jamais interferir no livre-arbítrio de outrem, a feitiçaria deve ser utilizada exclusivamente para fins curativos e, sobretudo, para recuperação em casos de depressão em que a vítima não tem condições de agir por si. Enfeitiçar para fins egoístas consiste, portanto, em mau uso desta prática, geralmente ocorrendo como resultado da usurpação de algum conhecimento sagrado por pessoas pouco evoluídas espiritualmente e não ligados a nenhuma Tradição Bruxa.

Nos dias atuais, devido à sua eficácia, a Feitiçaria vem sendo utilizada por inúmeros segmentos religiosos, tanto para as denominadas religiões como para as denominadas cultos... A partir do século IXX, a Feitiçaria deixou de ser praticada com exclusividade e acabou se incorporando a outros segmentos cuja doutrina é semelhante à sua prática; No Brasil temos grandes Mestres da Feitiçaria, sendo que alguns levam uma vida aparentemente comum, praticam a Feitiçaria de forma oculta; Dentre alguns nomes conhecidos da Feitiçaria podemos citar Maga Magali, Maga Athalanta, Maga Lúmina-Ra, Mago Vitor Jadim, Mago Barão, Mago Magnus e Mago Excelco; Nas práticas atuais a Feitiçaria é utilizada para alcançar auxílio na saúde, na vida profissional, social, amorosa e até mesmo para resolver problemas familiares, totalmente diferente do que era praticado quando surgiu e era praticada por Feiticeiros que se dedicavam única e exclusivamente à sua pratica.


Perspectiva do Espiritismo


Segundo o Espiritismo a Feitiçaria é um culto com raízes africanas.

Creem que a feitiçaria não foge ao domínio das forças naturais, sendo os ditos feiticeiros homens dotados de capacidades psíquicas e que sempre são auxiliados por espíritos, em geral de grande poder magnético, mas de moralidade inferior. Os espíritos que atuam nos rituais de feitiçaria influenciam poderosamente nos resultados desses rituais, em que há troca de energias em ambos os planos. Os espíritos da feitiçaria atuam recebendo pagamentos que são: sangue de animais, bebidas, perfumes e uma infinidade de objetos que valorizam, apesar da dimensão incorpórea em que se encontram. São em geral espíritos arrogantes, agressivos e muito autoconfiantes.

Seus trabalhos, entretanto, não podem afetar pessoas que lhes sejam superiores em moralidade ou cercadas por forças espirituais de ordem superior. Os espíritos dessa ordem, ainda é preciso que se diga, resolvem suas questões muitas vezes mediante o enfrentamento de espíritos contrários que atuam no mesmo dimensionamento, podendo perder ou ganhar uma disputa (demanda, no jargão mágico), de acordo com as falanges que estejam ao seu alcance mobilizar. A associação com determinados médiuns, mais ou menos dotados de poderes magnéticos, a determinação e a firmeza com que se postam, ajuda a definir também o alcance das influências a que se entregam.
Existem grandes associações de feitiçaria no plano espiritual, tanto quanto existem na Terra. A feitiçaria pode ser classificada como uma ação de interferência no ritmo normal da vida a partir do plano extra-físico, já que aqueles que se entregam a ela sabem que o mundo espiritual determina em grande parte a dinâmica do mundo físico e que, de lá, fica às vezes bem mais fácil influir sobre as situações e as pessoas, pois se conta com a influência mental sutil e a invisibilidade em relação aos indivíduos no plano físico, os quais geralmente não possuem clarividência.

Stregheria, a bruxaria italiana



Stregheria é um termo usados para a antiga Bruxaria italiana, como também para se referir a um movimento moderno neopagão surgido na Itália e nos Estados Unidos a fim de resgatá-la. Na língua italiana, "Stregoneria" significa simplesmente Bruxaria.

Para algumas pessoas, a Bruxaria Italiana é tida como a "Velha Religião" (Vecchia Religione, em italiano), culto neopagão italiano com origens nos velhos mistérios Egeu-Mediterrâneos. A stregheria é uma religião iniciática imposta por diversos clãs, na maioria hereditários e extremamente herméticos.

Já para outras, a Stregoneria é simplesmente a prática de bruxaria de influências italianas, desvinculada de religião, já que para Bruxaria Tradicional a mesma não é considerada uma 'Religião' per se, mas sim um Ofício, uma prática de feitiçaria independente da religiosidade.

Cultos


O Culto das Streghe Neo-Pagãs centra-se na figura da Deusa Diana e seu irmão e Consorte Dianus. Mas este Culto, deve-se deixar claro, é aquele mantido por praticantes modernos, e não correspondem a Bruxaria Italiana como um todo. Deve-se dizer ainda, como demonstrativo da variedade de práticas e pensamentos ligados a 'Stregoneria' que há muitos Stregoni e Streghe que focalizam sua prática em Santos Católicos, enquanto há outros grupos e praticantes que se focam na figura do Diabo e demônios menores. Portanto, não é possível generalizar a 'Stregoneria' como uma prática única, ou como um único Culto.

Quando feito dentro de famílias ou em grupos de práticas, os rituais da Bruxaria Italiana também buscam a cura, a fertilidade e a prevenção ou quebra do mal olhado, também conhecido como malocchio ou jetattura, bem como o amaldiçoamento de seus inimigos e feitiçaria para diversos fins, sejam benéficos ou maléficos.

Dentro das tradições das streghe ocorrem também ritos solares, obedecendo tanto às estações do ano, quanto à ciclos de plantio e colheitas nas diferentes regiões da Itália.


Segredos e práticas


Os streghe ou bruxos se reúnem às noites de lua, dependendo de seu crescente ou declínio, e nos dias de sol intenso. À lua cheia são revelados os mistérios da tradição, enquanto os rituais solares são voltados para a adoração e a iluminação, e ainda o contato com a natureza, tão importante para nós. Os elementos têm muita importância para os streghe, e uma das práticas secretas é a Arte das Transmutações, em que se utiliza o magnetismo do olhar para impregnar pessoas e coisas, como os benzedeiros chamam de "Luz nos Olhos" ou "Olhar de Fogo", para os bruxos. O Brilho do olhar pode ser usado para o bem ou mal, mas a maioria dos streghe utilizam o fogo (para libertaçao) e a água (para purificação), visualizando o corpo em questão cheio destes elementos. A stregaria também mantém contato com espíritos familiares, elementais, anjos e devas, etc., mas tudo com objetivos definidos, sejam materiais ou de desenvolvimento espiritual. Muitas tradições que se voltaram para o cristianismo mantiveram o simbolismo strega pelas gerações, e hoje constituem alguns dos principais grupos mantenedores da stregaria no Brasil. Apesar de misturada e muitas vezes enraizada no Cristianismo esotérico e no hermetismo, a stregaria mantém suas antigas tradições e rituais mediterrâneos, que morrem com os membros, mas cedo ou tarde retornam na família, através de sonhos, inspirações e até mesmo uma curiosidade.

Stregheria revelada


A Stregheria passou a ser conhecida graças ao folclorista Charles G. Leland, que no final do século XIX escreveu obras sobre o tema, entre as quais se incluem Aradia, Il Vangelo delle Streghe Italiane e Etruscan and Roman Remains in Popular Tradition. Leland conseguiu este material na Florença, onde mantinha contato com mulheres que se intitulavam Streghe (Bruxas em Italiano).

A maioria dos Clãs de Stregoneria são Politeístas, tendo um Panteão cheio de Deuses, Semi-Deuses e Raças de Espíritos, todos eles criados das deidades supremas que são Diana e Dianus. Alguns praticantes, no entanto, mantém seu culto firmado em algumas deidades, criando com elas uma espécie de aliança, não necessariamente sendo Diana e Dianus, embora, indubitavelmente eles sejam os mais cultuados.

As bases dos mistérios Stregonesci vieram principalmente de influências Etruscas. É importante lembrar, porém, que os romanos e assim, os ítalos tiveram muito contato com outros povos, dado à posição comercial e geográfica que os privilegiou em muitos momentos da história. Desta forma, desde os celtas que viveram no norte da Itália aos cultos e tradições trazidos pelos gregos que se instalaram na Magna Grécia, na Sicilia, influenciaram muito os modos, tradições e crenças das streghe, das fazedoras de magia, de curas.

Hoje, muitos praticantes de Bruxaria Italiana têm seus cultos e crenças enraizados também no Cristianismo e na cultura judaico-cristã, pois com a conversão dos romanos, muitos deuses e seus templos e cultos ganharam esse caráter, embora não tenham perdido sua essência e importância entre os praticantes recém-convertidos. Estes são atualmente aqueles que fazem suas curas em nome de Santa Luzia, São Miguel ou São Pedro, mas com magias e rezas, além do uso de ervas, plantas e especiarias.

Animulare, Tanarra, Janare, Strie, Strighe, Borde, Magare, Majare, Cogas, Masche, Basure são palavras sinônimas para "streghe" em diversos dialetos italianos. Foram erroneamentes tidas como 'Tradições de Bruxaria', mas na verdade são apenas palavras de diversos dialetos.

Clãs e tradições de Stregheria


A Stregheria contém em si várias ramificações que são chamadas de Clãs ou Tradições. Um Clã é formado por um conjunto de regras, liturgias, mitos e práticas em comum, onde os Stregoni e Streghe estão ligados entre si pela linhagem.

Outros grupos ainda, não tem um nome específico porque se desenvolvem em regiões, como resultado das vilas daqueles locais, ou em famílias. Nem sempre as famílias abrem ou mesmo assumem suas práticas mágicas, religiosas ou espirituais, por isso são muito pouco conhecidas.

 Boschetto



Termo da Stregheria que indica um grupo de bruxos que realizam suas práticas juntos. Palavra derivada de bosco (bosque), local tradicional de encontro de bruxos. Semelhante ao Coven wiccano. O termo "Boschetto" não é muito utilizado nos Clãs de Bruxaria Italiana, sendo Congrega o termo mais comum e tradicional.

Deusa Aradia




Aradia (Herodias) é uma das personagens mais importantes da Stregheria (Bruxaria Italia), chamada de Strega Sagrada, nasceu em 11 de Agosto de 1313 d.C. em Volterra, Toscana, região Norte da Itália.

As tradições e folclore da Bruxaria Italiana contam que Aradia foi enviada a Terra por sua mãe Diana, a Grande Deusa das Bruxas e Fadas, para que ela ensinasse a Bruxaria aos homens e trouxesse o reflorescimento da Antiga Religião Pagã.

Aradia é considerada uma "Avatar" feminina; uma Deusa que encarnou na Terra para trazer a liberdade para as classes oprimidas pelo clero e pela nobreza.

Sua história foi contada de geração em geração pelos Clãs e famílias de Streghe.

Parte de sua história pode ser encontrada na obra do folclorista Charles G. Leland, Aradia, Il Vangelo delle Streghe Italiane.

Dianus Lucifero


    Dianus Lucifero é o antigo deus das bruxas italianas. Irmão, filho e consorte da deusa Diana, é o senhor da luz e do esplendor.

Lucifero ou Lúcifer é o antigo nome do deus Romano do Esplendor. senhor da Estrela Matutina e Vespertina. Foi posteriormente associado ao Diabo Cristão. Vale ressaltar que o Lúcifer (diabo) judaico-cristão, por seu pleomorfismos de atuações pode ser considerado o deus Lucifero, sob uma optica cristã.

Dianus Lucifero (Divino Portador da Luz) também é conhecido como Dis em seu aspecto de deus da Morte e do além Mundo e Lupercus em seu aspecto de Criança da Promessa, portador da esperança e da Luz.

Dianus Lucifero é dotado de três aspectos:

    O Cornífero: senhor das Florestas Selvagens e deus da Fertilidade, Sexualidade, Vida e Morte.
    O Encapuzado: senhor dos Campos e das Plantações. rei da Colheita e senhor da Flora; Rex Nemorensis; semelhante ao Greenman dos celtas.
    O Ancião: senhor da sabedoria e Guardião dos santuários.

O Culto da Stregheria ao deus Dianus Lucifero está intimamente ligado aos antigos Mistérios do deus Etrusco Tagni, e aos deuses Clássicos como Pã, Baco, Dioniso e Apolo.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Dias em que os Elementais aparecem nesse mundo



   Os elementais podem ser contatados em certos dias especiais do ano como nos Solsticíos, no hallween até o dia 02 de novembro (dia dos finados), no dia 11 de novembro (dia de São Martin), no dia de São João e no natal.
  A seguir, veja os dias de novembro e dezembro em que alguns espíritos caminharão entre nós.

24 de novembro - Elfa Berchta


Antiga comemoração de Berchta ou Percht, a Deusa Mãe da Alemanha e da
Áustria. Chamada de "Mulher Elfo", ela sobrevoava a terra envolta em seu
manto de neblina e fertilizava os campos e os animais. Como não tolerava
a preguiça, ela inspecionava os teares e, caso encontrasse algum
trabalho malfeito ou alguma casa em desordem, ela arranhava ou feria a
tecelã descuidada. Em suas festas, as pessoas comiam panquecas e bebiam
leite, deixando uma parte para Berchta. Ela vinha comer furtivamente e,
caso alguém espiasse, recebia como castigo uma cegueira temporária.
Ela desce nas noites entre 22 de dezembro e 6 de janeiro e percorre a terra em sua carroça, disfarçada, concedendo presentes a todos aqueles que foram generosos e punindo aqueles que foram preguiçosos.
Após o advento do cristianismo, ela foi convertida numa "bruxa" para as crianças nas histórias de contos de fadas.


1 de dezembro

Domojov

Dia dos seres elementais nos países eslavos.
 Os povos eslavos acreditavam na existência de vários tipos de elementais ou o "Pequeno Povo", como eram chamados nas tradições celtas.
 Os Domovoj eram os elfos caseiros; eles moravam atrás das lareiras nas casas que eles tinham adotado e eram extremamente leais às famílias que os abrigavam.
Os Bannik viviam nos banheiros e gostavam de encontrar uma vasilha com água
fresca colocada a seu dispor após o anoitecer.
Os Vazila cuidavam do cavalos e os Bagan, das cabras e das ovelhas.
Os Poleviki, os elfos dos campos, viviam nos trigais e prejudicavam as
colheitas se não recebessem agrados e respeitos.
Homenagens celtas para as Senhoras Verdes, os elfos que moram nos carvalhos, teixos, salgueiros, freixos, pimheiros ou macieiras.
Todas as árvores deveriam ser tratadas com respeito para que as Senhoras verdes não se ofendessem. Eram elas que davam a permissão para que os galhos fossem cortados ou os frutos colhidos.
Celebração de Pallas Athena, na Grécia e de Minerva, em Roma, a deusa da
sabedoria e da justiça.

3 de dezembro


Antiga comemoração de Airmid, a deusa irlandesa da cura. Embora pouco conhecida, Airmid era uma famosa curandeira, utilizando ervas e pertencia aos Tuatha de Danaan, grupo de divindades pré-celtas. Ela surgia vestida com um manto coberto de ervas e protegia todos aqueles que as utilizavam em curas.

5 de dezembro


Véspera de Sinterklaas, o dia de São Nicolau na Holanda, quando as crianças colocam seus sapatos ou botas de feltro nas janelas para receberem presentes do velho Sinter Klaas, transformado posteriormente em Santa Klaus; em troca, devem deixar cenouras e feno para seu cavalo. As crianças levadas recebem um feixe de galhos de salgueiro, pedaços de carvão ou um diabinho vermelho, enquanto que as boas ganham doces e brinquedos.
Esses costumes e os contos a els relacionados são reminiscências dos antigos rituais xamânicos.   

10 de dezembro


 Celebração de Danu ou Dana, a Deusa Mãe irlandesa, guardiã do conhecimento,
protetora das famílias e tribos, regente da terra, da água e da constelação de Cassiopéia, chamada Llys Don, a corte de Danu, em sua homenagem. A mais importante das antigas deusas irlandesas, Danu era a dirigente de uma tribo de divindades nomeada Tuatha de Danaan, o povo de Danu, que depois foram diminuídos (pelos mitos posteriores às invasões dos povos celtas) a uma classe de fadas chamadas Daoine Sidhe. Seu nome, Dan, significava conhecimento, tendo sido preservada na mitologia galesa como a deusa Don, enquanto que outras fontes equiparavam-na à deusa Anu.
Segundo as lendas, os Tuatha de Dannan, exímios magos, sábios, artistas e artesãos, foram vencidos pelos rudes e guerreiros Milesianos, retraindo-se nos Mundos Internos das colinas, chamadas "sidhe".
Festival romano Lux Mundi, dedicado à deusa Lucina, modernização na França como um festival dedicado à Deusa da Liberdade, com procissões de velas e orações de esperança.

11 de dezembro


Comemoração japonesa da deusa Yuki One, "A Donzela de Neve", o espírito da morte pelo frio. Ela aparecia para aqueles que tinham se perdido nas montanhas geladas como uma mulher pálida esilenciosa, cantando suavemente para adormecerem para que ela soprasse sobre eles o hálito
frio da morte.

12 de dezembro


 Angeronália, dia consagrado a Angerona, a deusa romana do silêncio, da ordem e do medo, que produz ou alivia. Suas estátuas representavam-na com um dedo sobre os lábios ou com a boca amarrada. Era invocada para guardar segredos ou vencer os medos, restabelecendo o equilíbrio. Alguns autores consideram-na a padroeira do inverno, dedicando-lhe a regência do solstício.
Sada, fetival zoroatriano do fogo celebrando a vitória das forças do bem e da luz sobre o male a escuridão.


18 de dezembro

 Nos países celtas, festejava-se a deusa eqüina Epona, cujo culto foi mantido pelos romanos e sincretizado ao da deusa romana Ops.
Epona era considerada, pelos romanos, como a protetora dos cavalos, enquanto Bubona era a proterora do gado. Epona era representada de três maneiras: cavalgando uma égua branca; em pé, cercada de cavalos ou deitada nua sobre um cavalo. Às vezes, segurava um cálice ou um prato redondo ou ainda uma cornucópia. Segundo algumas fontes, Epona oroginou um verdadeiro culto ao cavalo, cujas reminiscências são encontradas nas gigantes reproduções de cavalos em várias colinas calcárias da Inglaterra e na freqüência do nome Cavalo Branco para lugares, lendas (como a de Lady Godiva) e de "fantasmas" de mulheres a cavalo.
Epona detinha o poder sobre o ciclo da vida dos homens, do berço ao túmulo e por isso seus símbolos eram um pano branco e uma chave, que abria todas as portas do além.
Comemoração da antiga deusa eqüina irlandesa Etain, "A Veloz", a
 padroeira da magia e da cura. Etain era também uma deusa solar, padroeira irlandesa da medicina. Filha do deus da cura Dian Cecht, ela casou-se com Ogma, o deus da literatura e da eloqüência.

19 de dezembro


 Na China, as pessoas se reúnem nas cozinhas decoradas com flores, acendem velas, queimam incenso e festejam com pastéis, carne de porco e vinho de arroz, levando, depois, um pouco como oferenda para as árvores. Este dia é considerado muito favorável para noivados e casamentos.
Comemorações para as deusas romanas Sabina, da fertilidade e Orbona, a protetora das crianças órfãs ou com doenças terminais.
Dia dos Mortos no Egito. As pessoas deixam lamparinas acesas e comida nos túmulos em homenagem aos familiares falecidos.


Dias  25 de dezembro


No folclore alemão,  há uma lenda sobre uma bruxa chamada Lutzelfrau, que voava montada em sua vassoura levando infortúnios para aqueles que não a  presenteavam. De acordo com um antigo costume dos camponeses, neste dia as crianças usavam máscaras e iam de casa em casa pedindo dinheiro e doces em nome de Lutzelfrau. A origem desta lenda é a antiga celebração da deusa Perchta, a Mãe Terra, que era homenageada com oferendas para que proporcionasse um ano abundante e feliz.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Tulpa


     Tulpa é uma entidade ou objeto que, segundo o budismo tibetano, pode ser criado unicamente pela força de vontade, envolvendo meditação, concentração e visualização intensas. Em outras palavras, a tulpa seria um pensamento tornado tão real pelo praticante que chegaria a assumir uma forma física, material. Em outras palavras, a fé tem o poder de mudar até mesmo a realidade.
   
    O livro “Magic and Mystery in Tibet”, de Alexandra David-Neel, fala sobre as experiência da escritora com Tulpas. Segundo Alexandra, a criação de um Tulpa trás consigo algumas consequências, pois depois de formada, esta criatura tem vontade própria, se desenvolve como qualquer indivíduo e pode ficar violenta e até mesmo matar o seu criador.
Segundo a crença tibetana, em grande parte dos casos, o Tulpa tende a desaparecer com a morte de seu criador, mas há relatos de algumas criaturas criadas com tanta vontade que acabam sobrevivendo.
  
Muitos acreditam que o conhecido “Bicho Papão", terror das criancinhas, seja na verdade um Tulpa, ou seja, uma criação inconsciente da criança quando está sozinha e assustada no escuro.
A existência de Tulpa também poderia explicar alguns relatos sobrenaturais, como fantasmas vistos em lugares abandonados, nos quais ouve alguma tragédia, monstros e o aparecimento de diversas criaturas sobrenaturais.
     Por isso, temos de ter muito cuidado com as coisas que imaginamos. Um exemplo de tulpa que tem aterrorizado muitas pessoas é o Sleendermam (Homem Alto). Sua lenda tem se espalhado como praga pela internet e pessoas sensíveis têm acreditado que a lenda realmente seja real. Graças ao seu medo, o Homem Alto têm se tornado físico e aterrorizado muitas pessoas que acreditam na lenda. Quando li a lenda, ri e me perguntei "Como as pessoas podem acreditar em um homem sem face, com braços de polvo?" . Então contei a lenda para o meu irmãozinho, para assustá-lo (eu sei! Isso é maldade!). E a luz do quarto acendeu sozinha! Levamos um baita susto, principalmente quando meu outro irmão entrou no quarto de repente! Mas o que me deu arrepios, foi que na lenda do Homem Alto, dizia que quando as luzes se apagavam ou acendiam sozinhas ou queimavam era um sinal de que o Homem Alto havia feito sua passagem para esse mundo. O pior foi que a luz do quarto queimou mesmo quando a acendi mais tarde. Minha mãe e eu nos sentimos muito enjôadas durante a noite (outro sinal de que o tal Homem Alto estava por perto). Eu achei aquilo muito esquisito e conversei com uma amiga a respeito. Ela me aconselhou a fazer com que meu irmãozinho deixásse de acreditar na lenda, já que aquilo tudo poderia estar acontecendo por causa dele, de sua crença no Homem Alto. Eu segui o conselho dela e convenci meu irmão a esquecer aquela lenda. Não importa se foi coincidência ou não a luz ter queimado naquela tarde, mas o que eu sei é que preferi não pagar para ver, afinal, muitas pessoas tem enlouquecido por causa dessa lenda.

   Se você criou um tulpa (eles podem assumir diversas formas, desde uma fadinha inofencível a um Sleendermam, devorador de criancinhas) e quer se livrar dele, pode tentar essa meditação simples.

Medite na tulpa que você criou para chamá-la para você. Isso pode levar muito tempo, dependendo de quão independente a tulpa se tornou. Faça isso num espaço escuro e calmo.

Imagine a tulpa dentro de um círculo branco diante de você. Isso pode encorajar a aparição da tulpa, dando-lhe um espaço específico para estar.

Concentre-se em reabsorver a tulpa na sua mente. Várias visualizações ajudam a fazer isso, tais como desmanchar a tulpa camada por camada, da mesma maneira que você a construiu; ou imaginar a tulpa como que se dissolvendo e se movendo para você um pouco de cada vez. A tulpa pode desaparecer na sua frente à medida que você visualiza este processo.
Mantenha a sessão meditativa pelo tempo em que se sentir confortável e saudável. Talvez você não consiga reabsorver a tulpa dentro da primeira sessão de meditação e seja preciso repetir o processo por várias sessões até se livrar completamente dela.


        Se você não conseguir reabsorver a tulpa com esforço concentrado, procure a ajuda de um monge budista ou de um perito espiritual experiente em formas de pensamento.

    Você também pode tentar visualizar a tulpa debandando e voltando a energia dela para o universo durante as sessões.
    Muitos acham que as tulpas morrerão no final das contas por conta própria, se lhes for negada energia na forma de crença por seus criadores e pelos que o cercam. Não acredite nela e ela cada vez ficará mais fraca, debandando por conta própria.
    As tulpas são formas de pensamento que tiram energia dos seus criadores para viver. Elas também podem ficar malevolentes em relação a seus criadores e demais pessoas por vontade própria.
    Sempre procure a ajuda de um perito espiritual qualificado quando lidar com formas de pensamento.

O que são formas-pensamento?


     Segundo a teosofia formas-pensamento são criações mentais que utilizam a matéria fluídica ou matéria astral para compor as características de acordo com a natureza do pensamento. Deste ponto de vista, encarnados e desencarnados podem criar formas-pensamento, com características boas ou ruins, positivas ou negativas. As formas-pensamento são supostamente criadas através da ação da mente sobre as energias mais sutis, criando formas que correspondem a natureza do pensamento gerado.


Pensamento abstrato



C. W. Leadbeater, em seu livro Compêndio de Teosofia descreve da seguinte forma:

"Quando um homem dirige o pensamento para um objeto concreto, uma caneta, uma casa, um livro ou uma paisagem, forma-se na parte superior de seu corpo mental uma pequena imagem do objeto, que flutua em frente ao seu rosto, ao nível dos olhos. Enquanto a pessoa mantiver fixo o pensamento sobre o objeto a imagem vai permanecer, e persiste mesmo algum tempo depois.

O tempo de duração desta imagem dependerá da intensidade e também da clareza do pensamento. Além disso, essa imagem é inteiramente real e poderá ser vista por aqueles que tenham desenvolvido suficientemente a visão de seu próprio corpo mental. Do mesmo modo como ocorre com os objetos, quando pensamos em um dos nossos semelhantes, criamos em nosso corpo mental o seu retrato miniaturizado.
Quando o nosso pensamento é puramente contemplativo e não encerra um determinado sentimento como a afeição, inveja ou a avareza, nem um determinado desejo, como por exemplo, o desejo de ver a pessoa em quem pensamos, o pensamento não possui energia suficiente para afetar sensivelmente essa pessoa."


Oceano de Pensamento?



"Cada pensamento produz uma forma. Quando visa uma outra pessoa, viaja em direção a essa. Se é um pensamento pessoal, permanece na vizinhança do pensador. Se não pertence nem a uma, nem a outra categoria, anda errante por um certo tempo e pouco a pouco de descarrega, se desfazendo no éter.

Cada um de nós deixa atrás de si por toda parte onde caminha, uma série de formas-pensamentos. Nas ruas flutuam quantidades inumeráveis. Caminhamos no meio deles.

Quando o homem momentaneamente faz o vácuo em sua mente, os pensamentos que lhe não pertencem o assaltam; em geral, porém, o impressionam fracamente. Algumas vezes, todavia, um pensamento surge e atrai a sua atenção de um modo particular. O homem comum se apodera-se dele e o considera como coisa própria, fortifica-o pela ação de sua própria força, e, por fim, o expele em estado de ir afetar outra pessoa. O homem não é responsável pelo pensamento que lhe atravessa a mente, porquanto pode não lhe pertencer. Porém, torna-se responsável quando se apodera de um pensamento e o fixa em si e depois o reenvia fortalecido."

Pensamento egoísta


"Os pensamentos egoístas de qualquer espécie vagueiam pela vizinhança daqueles que os emitem. O corpo mental da maior parte dos homens está envolto por eles, como por uma espécie de concha. Esta concha obscurece a visão mental e facilita a formação de preconceitos. Cada forma-pensamento é uma entidade temporária. Pode-se compará-la a uma bateria elétrica carregada, esperando a ocasião de fazer a descarga. Determina sempre no corpo mental que atinge, um número de vibrações igual à sua e faz nascer um pensamento idêntico. Portanto, se as partículas desse corpo já vibram com uma certa rapidez, em consequência de pensamentos de uma outra ordem, o pensamento que chega, espera a sua hora vagueando ao redor da pessoa visada até que o corpo mental dela esteja em suficiênte repouso para lhe permitir entrar. Então, descarrega-se e cessa instantaneamente de existir."

Pensamento pessoal


"O pensamento, quando é pessoal, atua inteiramente do mesmo modo em relação à pessoa que o engendrou e se descarrega sobre ela quando a ocasião se apresenta. Quando o pensamento é mau, a própria pessoa que o gerou pode considera-lo como obra de um demônio tentador, quando, de fato, essa pessoa é o seu próprio tentador. Em geral pode-se dizer que cada pensamento produz uma nova forma-pensamento. Porém, sob o império de certas circunstâncias e a repetição constante de um mesmo pensamento, em lugar de produzir uma nova forma, funde-se com a primeira forma-pensamento e a fortifica. De sorte que o assunto, através de continuada meditação gera, muitas vezes, uma forma-pensamento de um poder formidável. Quando é má, pode-se tornar maléfico e durar muitos anos. Formas-pensamento deste tipo possuem a aparência e os poderes de uma entidade realmente viva." Podem ser facilmente confundidas com outras entidades astrais, pois possuem uma forma e um movimento que lembra seres vivos.

Pensamento dos benfeitores


"Os tipos de pensamentos tratados acima são os que nascem da mente sem nenhuma premeditação.

Existem, porém, formas-pensamento elaboradas intencionalmente com o fim de auxiliar os outros. São peculiares aos benfeitores da humanidade. Pensamentos vigorosos, dirigidos inteligentemente, podem constituir um grande socorro para quem os recebe. São verdadeiros anjos da guarda; protegem contra a impureza, a irritabilidade, o medo."

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A feitiçaria e o livre arbítrio

    Feitiços servem para intervir no destino de forma mágica a nosso favor.
Na wicca, acreditamos que qualquer coisa seja boa ou ruim que você faça, um dia voltará para você, três vezes mais forte. Isso é um verdadeiro consolo para uma boa pessoa, desprovida de sentimentos mesquinhos e egoístas. E um verdadeiro tormento para pessoas incapazes de compreender que tudo o que fazemos nesse mundo não passa desapercebido pelos olhos dos deuses.
  Eu sei, por experiência própria, o quanto é triste amar alguém que não nos corresponde. Mas tente entender que todos nós temos o livre arbítrio e você deve respeitar a vontade de seu próximo, assim como ele deve respeitar a sua! Forçar alguém a ficar ao seu lado apenas porque VOCÊ quer, é egoísmo e você está desconsiderando a vontade de outra pessoa. Nosso destino é um completo mistério que apenas os deuses conhecem. Quando perdemos algo, encontramos coisa melhor depois. Tudo é aprendizagem. Os deuses querem que sejamos fortes e independentes e a única forma de fazer isso é através do sofrimento. O sofrimento fortalece mais as pessoas e as amadurece. E amar é sofrer! Se nunca sentissemos dor, nunca aprenderíamos nada! E como eu disse anteriormente, nossos destinos são um completo mistério. Imagine assim, Ana é apaixonada por Miguel. Mas Miguel já não a ama mais. Ana nem imagina, mas estava escrito em seu destino que logo após perder Miguel, ela viajaria com uma amiga e conheceria o verdadeiro amor de sua vida, sua alma gêmea. Mas Ana, como não conhecia seu destino, insistiu que era Miguel o grande amor de sua vida e o prendeu ao seu lado com magia. Resultado, Ana não ficou deprimida e por isso, não viajou com sua amiga e não conheceu sua alma gêmea.    Isso é o que acontece quando você altera seu destino. Nada acontece por acaso. Tudo tem um porquê. Uma vez, eu tive de mudar de casa quando faltava pouco tempo para terminar o ano letivo. Perdi aquele ano. E fiquei revoltada. Mas tempos depois, quando fui para uma nova escola, conheci Leticia e ela se tornou uma de minhas melhores amigas. Se eu não tivesse perdido um ano letivo, jamais teria me tornado amiga dela! Percebe o quanto tudo está tão ligado de uma forma ou de outra? As Parcas gregas sabem bem como escrever nossas histórias. Portanto, não devemos ser tão dramáticos. Devemos nos perguntar, "o que o futuro pode ter reservado para mim?", antes de realizarmos uma magia, pois uma simples magia, muda todo o curso de uma história. Bem, agora que você já sabe disso, a escolha é sua. Está em suas mãos, seu destino, por sua própria conta e risco!

domingo, 22 de setembro de 2013

Visualização, Meditação e Hipnose

  Na wicca há três coisas muito importantes que todo aprendiz de feiticeiro tem de conhecer, pois a maioria (para não dizer todos) dos feitiços e rituais requer ao menos uma das seguintes habilidades; Visualização, Meditação e Hipnose.

Visualização; É necessária na maioria dos rituais e feitiços. Sem ela seria impossível meditar ou realizar uma viagem astral (hipnose).
   Visualizar se assemelha a "imaginar" porque quando visualizamos algo estamos "imaginando", moldando formas-pensamentos ou simplesmente criando um cenário agradável com personagens ou não. Sempre com determinado propósito. Entretanto, a visualizão se difere da imaginação simplesmente porque quando imaginamos algo, temos total controle sobre a situação. Nada acontece sem o nosso consentimento. Já na visualização, deixamos a coisa rolar. Criamos o cenário e seus personagens, e controlamos as coisas só até certo ponto. O que vem depois é obra do espírito ou força contatada.
     Em geral, sabemos quando uma visualização dá certo ou não da seguinte forma; nosso cenário, inicialmente apenas fruto de nossa imaginação, torna-se mais real. E nossas emoções tornam-se mais fortes. Sentimos que realmente estamos naquele lugar e que se abrirmos nossos olhos naquele instante comprovaremos isso. Muitos não resistem a tentação e abrem seus olhos e desapontados, percebem que aida estão aqui, na mesma dimensão.

   Quem pretende se tornar um expert em viagens astrais deve dominar primeiro as artes da visualização, meditação e auto-hipnose. Comece com a visualização (sempre básica, se está começando agora, e depois que sentir-se preparado, tente visualizações mais complexas), depois passe para a meditação e por último quando dominar bem as duas artes (visualização e meditação) tente realizar auto-hipnose ou viagem astral.

Meditação; Meditar requer paciência e um ambiente propício.
Muitas pessoas moram com gente maluca e/ou barulhenta. É o irmão adolescente que ouve rap no último volume do rádio, a avó que não se cansa de falar, a mãe que não deixa de reclamar, o pai que só sabe gritar e o cachorro que só sabe latir à toa! Como meditar em um lugar assim? É praticamente impossível. Mas uma hora todo esse povo chato tem de dormir, não é mesmo?! É nessa hora, quando as luzes se apagam e todos roncam que você deve ir para seu cantinho e meditar. Quem sofre de insônia como eu, pode aproveitar as horas tediosas para meditar ou fazer viagens astrais sem ser perturbado por nada nem ninguém.

Qual o melhor lugar para meditar?

    Qualquer lugar é bom. Contanto que você possa relaxar. No entanto, existem certos lugares que são melhores que outros para meditar, como um jardim com árvores ou arbustos, por exemplo. As ninfas (elementais das árvores e plantas) podem nos ajudar a relaxar e a manter o foco durante uma visualização ou meditação. Se no entanto, não acha seguro meditar em seu jardim à noite ou se não tem um jardim em sua casa, pode colocar um vasinho de planta ou um punhado de terra em um pires no lugar onde você for meditar. Pode optar ainda por cristais (aquelas pedrinhas coloridas e baratas).
    As plantas, o punhado de terra e os cristais são representações do elemento terra.  Em uma meditação é muito importante o contato direto (quando você senta em um chão de terra ou gramado, toca uma árvore ou planta ou fica descalço) ou indireto (quando se senta em um chão de cerâmica ou invés de um chão puro ou se utiliza cristais) com a terra, pois é dela que vêm toda a fonte de poder dos elementais e das bruxas. É delas que tiramos nosso sustento e o poder necessário para para realizarmos nossas magias e nos protegermos de forças hostis, além de a usarmos para reciclar nossas energias.
     Podemos retirara energia da terra através da visualização; sente-se confortávelmente no chão e relaxe. Coloque suas mãos sobre o chão e feche os olhos. Então visualize todo e qualquer excesso de energia deixando seu corpo através de suas mãos, e indo direto para a terra... Bem no fundo dela, direto para o seu centro. Quando sentir-se mais leve, ou seja, sentir que toda a energia ruim abandonou seu corpo, visualize (se quiser ou precisar) que agora está extraindo energia positiva (saúde, poder, força, determinação, o que precisar) da terra em seu favor. Só não seja tolo em tomar para si mais do que realmente precisa ou pode ocorrer um desequílibrio. Também tome cuidado para não tocar ninguém logo em seguida que realizar essa visualização ou você pode ficar enjôado de repente.
   Também é possível extrair ou reciclar energia através de outros elementos como o ar e a água.

Absorvendo energia através do Ar

  Vá a um lugar, preferencialmente ao ar livre e com verde, onde o ar seja puro.
Tente relaxar. Inspire o ar contando até três. Em seguida, solte a respiração contando até cinco. Inspire novamente contando até três e enquanto faz isso, visualize que está absorvendo o "prana", a energia vital. Quando soltar a respiração, a energia que absorveu anteriormente continua em seu corpo. Faça isso quantas vezes achar necessário.

  Reciclando a energia através de um banho

   Sim. Você pode fazer isso enquanto toma seu banho.
Feche seus olhos e visualize que a água do chuveiro que cai sobre seu corpo é dourada. Essa água que cai sobre seu corpo lava não apenas seu corpo, mas seu espírito. Removendo todas as impurezas indesejáveis de sua aura. Você pode visualizar essas impurezas como uma água suja que sai de seu corpo e desce pelo ralo.
  Visualize também a água dourada preenchendo você de energias positivas.

Mantenha a concentração

   Muitas pessoas tem dificuldade de se concentrarem durante uma visualização, meditação ou auto-hipnose.
  O melhor a se fazer para manter o foco e a concentração é relaxar e dizer a você mesmo que vai se concentrar e não pensar em mais nada. Também pode tentar trabalhar em um ambiente escuro. No caso na hipose, isso não é uma opção é uma regra.
   Às vezes, uma boa música pode ajudar. Tem de ser algo que envolva, que relaxe, que toque sua alma. Nada de música agitada ou barulhenta como Linkin Park e Paramore. Tente uma música celta ou Anya. Entretanto, se você acha esse tipo de música é chato, tudo bem. Tente Katherine Jenkins ou Bethoven. Independente do estilo, só o que importa é que você relaxe e que sinta inspirado. Eu mesma, amo música celta e tenho um cd com músicas para atrair as fadas. Mas igualmente, me sinto inspirada com "Overt it" de Katherine Mc Phee, "Losing grip" de Avril Lavigne e "Buttons" de Pussycat Dolls.
     Você não pode se prender a letra da música, mas ao seu ritmo e batida, sim. Procure músicas com um ritmo que você considere mistico, que toque o seu "eu feiticeira".

  A posição de lótus (com as pernas cruzadas) é a mais recomendável para a meditação.

Uma ajudinha de Lethe, a deusa do esquecimento

  Você pode pedir ajuda a deusa Lethe para esquecer tudo o que lhe perturba e assim poder se concentrar.

Prece a Lethe

   Lethe, deusa do esquecimento
Peço-te para repousar as mãos em minha cabeça
E verter para fora de minha pele as águas esquecedoras,
Para suavizar os problemas da minha mente,
Para acalmar meus pensamentos frenéticos,
E para me ajudar a encontrar paz
Para que eu possa dormir.*

* Substitua a palavra dormir por meditar, visualizar e etc.

Viagem astral

  A viagem astral acontece quando uma pessoa através de uma hipnose visita outra dimensão.  Podemos "viajar" para onde quisermos, desde os Reinos elementais ao Reino dos mortos. Entretanto, não recomendo que uma pessoa inesperiente faça uma viagem astral sem supervisão de alguém que entende do assunto pois pode ser muito perigoso. Por exemplo, você sabia que quando uma pessoa visita os reinos elementais ou o reino dos mortos não pode comer nem beber nada durante sua tour ou ficará preso aquela dimensão eternamente? Pois é! Uma pessoa experiente, que já está acostumado a viajar entre as dimensões, sabe se proteger dos perigos e das ciladas que encontra pelo caminho durante sua tour. Já uma pessoa inesperiente não sabe nada e pode se dar muito mal.
   Quando viajamos para outra dimensão temos de voltar depois pelo mesmo caminho que tomamos para chegar até onde chegamos ou nos perderemos e não acharemos a saída. Dependendo se você comeu ou bebeu ou o quanto se perdeu você pode não acordar nunca mais e terá sorte se ficar em coma. Mas o que é mais comum é que o viajante descuidado, retorne a essa dimensão. Entretanto, como ele não volta pelo mesmo caminho, fica preso espiritualmente àquela mesma dimensão que visitou e isso só é o começo do problema. Pois todas as noites quando dormir, sua alma retornará involuntáriamente aquele mesmo lugar. Os seres que o impediram de achar o caminho certo, o manterão preso até o dia de sua morte, quando levarão sua alma para aquele lugar de uma vez. Se é um lugar belo com fadas e unicórnios, tudo bem. Mas se for o contrário, um lugar  horrendo, habitado por seres malignos, você não vai querer estar lá. 
   E como sair de um lugar desses? Como realizar uma hipnose ou viagem astral sem riscos?
    No meu próximo livro (ainda sem título) vou falar de Visualização, Meditação, Auto-hipnose, Viagem Astral e Abiduções. Siga o blog por email e aguarde o lançamento do livro em breve!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Energia - Como sentir os elementais


      Infelizmente, nem todo mundo pode ver elementais logo de cara, como nos filmes e muitos, não importa o quanto tentem, ou o quanto façam feitiços, não conseguem sequer sentir a presença de um elemental. Por quê isso acontece? Os elementais não existem? Claro que existem. O que acontece é que nem tudo mundo nasce vidente ou naturalmente bruxo. E nesse caso, pessoas que não são naturalmente bruxos tem de trabalhar duro para despertarem sua vidência e outros dons que possibilitam ver, ouvir e sentir os elementais e o outros seres. Existem muitos rituais para despertar a vidência e outros dons "naturais". Mas um dos mais eficazes, sem dúvida consiste em perceber a energia ao seu redor, dessa forma qualquer um bem treinado será capaz de perceber quando um espírito estiver presente e tocá-lo (o espírito). Mas aviso desde já que é um caminho sem volta e você deve usar essa habilidade com muita responsabilidade, pois se mais tarde, com outro ritual, você atrair um espírito malévolo, poderá se tornar vítima dele e sentir sua influência nefasta sob você. Então, seja cuidadoso e nunca dê uma de rebelde sem causa ou satanista teen, pois o diabo ODEIA todos os humanos, afinal de contas, é por nossa causa que eles se ferraram tanto!

    Sentir a energia pode demorar um pouco e  você vai precisar de paciência. A wicca é uma religião que requer paciência, aliás não apenas a wicca, mas praticamente todas as formas de bruxaria. Se quiser algo bem feito e que realmente funcione, tem de ter paciência e mais uma coisa, que meu pai sempre dizia; "Quem quer algo bem feito, faz. Não manda!".  Existe muita "bruxa" (pra não não dizer macumbeira) que engana os outros e toma tanto dinheiro deles quanto pode. Minha mãe e minhas tias sabem do que estou falando! Não dá pra confiar nos outros, por isso, se você quer ver um elemental ou ser um grande bruxo algum dia, faça isso sozinho. Estudando muito. Devore livros de ocultismo e quando for estudar pela internet, cuidado! Muitos sites passam informações erradas sobre determinados assuntos. Por exemplo, quando se pesquisa algo sobre elfos, muitos sites aparecem, mas a maioria são sites sobre RPG e outros jogos, que não são fiéis à verdadeira mitologia dele. Claro que esses sites contém alguma verdade, mas para se ter certeza, deve-se pesquisar em outros sites, preferencialmente, sites de magia (existem vários como Três Fases Da Lua, Witch Club House e etc).
  Bem, agora chega de conversa. Vamos ao que realmente interessa!

  A energia é o poder pessoal, gerada por nosso próprio corpo, o poder divino que vem dos deuses e o poder que vem da terra. Energia na magia, é uma força invisível, uma presença, um poder. E pode ser usada de muitas formas. Aqui, aprenderemos a senti-la, a percebê-la. E mais adiante iremos explorá-la a fundo.
    Para começar, um exercício bem simples:

Mão com mão

        Encontre um lugar calmo onde possa trabalhar sem ser incomodado. Se a sua família é agitada como a minha, sugiro que espere todo mundo dormir e trabalhe tarde da noite. É melhor e assim nada nem ninguém pode te interferir. Sente-se no chão, na cama ou na cadeira. Eu sempre prefiro meditar no chão para me ligar diretamente a terra. Coloque suas mão juntas por alguns segundos até que sinta o calor entre elas. Então, mantenha suas mãos juntas à sua frente, como se estivesse rezando. Lentamente, separe suas mãos alguns centímetros. Enquanto afasta suas mãos, tente sentir a energia que eleva entre suas palmas e seus dedos ( a energia e não o calor, é quase como ímã que atrai uma mão a outra). Pode visualizar, se quiser uma bola de luz se formando em entre suas mãos. Entretanto, não espere ver realmente uma bola de energia se formar porque isso não é possível, a não ser nos filmes.
    Em seguida, tente mover suas mãos para trás, gentil e lentamente, juntas.  Enquanto faz isso, veja se consegue sentir qualquer resistência entre suas mãos. Para algumas pessoas, isso parece o empurrão de quando você coloca os polos errados do magneto junto e eles se repelem. Não se desencoraje se não sentir nada da primeira vez que tentar isso. Se você praticar esse exercício, você o sentirá eventualmente.

  Uma variação dessa técnica é trabalhar com um parceiro. 
Sente-se encarando seu parceiro, coloquem suas mãos juntas como vocês fizeram quando estavam separados. Então toquem as mãos um do outro como se vocês estivessem empurrando para lados opostos de uma porta ou brincando de adoletá. Tentem puxar suas mãos para longe um do outro lentamente e sentir a energia entre vocês. Então, tente sentir a resistência enquanto empurra as mãos de volta a seu parceiro.

    Alguns wiccanos acreditam que eles tem a uma mão "ativa" e outra "receptiva"; a mão receptiva é a que melhor sente a energia e a ativa é a que melhor a redireciona.  Entretanto, ambas as mãos trabalham bem.

A energia alheia

     Uma vez que você já tenha sentido a energia fluir por suas mãos, tente sentir a energi de um cristal ou uma pedra. Cristais são baterias naturais, então sua energia tende a ser facilmente sentida. Sente confortavelmente, relaxe e pegue uma pedra ou cristal em sua mão. Segure gentilmente e veja o que sente. Você pode não sentir nada em sua mão, mas compreenda que você pode ter a sensação em sua mente. Você pode conseguir uma imagem mental em vez de uma sensação física. Ou você pode apenas sentir o cristal vibrando em sua palma.

   A seguir, pratique para sentir a energia das plantas ou árvores. 
Em um ambiente externo, relaxe. Sente-se ou fique perto de uma planta ou árvore e então coloque suas mãos a alguns centímetros de distância dela. Sim, você se sentirá idiota fazendo isso.Seus vizinhos pensarão que você é estranho se virem em você fazendo isso. E daí? Tudo em prolda experimentação e do crescimento espiritual, certo?
 Feche os seus olhos e tente sentir a diferença na energia enquanto você move as suas mãos lentamente ao longo da planta. Você não deveria tocar a planta para sentir a sua "assinatura energética", mas toque-a se você não conseguir sentir nada sem fazê-lo. Isso pode ser mais fácil para uma planta pequena do que para uma árvore. Árvores são grandes e tem uma maravilhosa e forte assinatura energética, mas não são tão perceptíveis, por falta de um exemplo melhor, como uma simples planta de orégano no seu jardim. Se a árvore é um baixo, a erva é um soprano. Quando você sentir a energia das ervas e plantas, tente trabalhar com objetos de dentro de casa. Eles tem assinaturas energéticas também. Tente sentir a energia de um bloco de madeira ou de um brinquedo de plástico; talvez a vibração não seja tão forte quanto em plantas ou cristais, mas ainda assim deve estar lá. Wiccanos se tornam adeptos de sentir a energia em objetos inanimados geralmente acabam usando as suas mãos em psicometria. A psicometria é a habilidade de tocar algo e conseguir informação sobre o que já passou, a partir das suas vibrações; por exemplo, pegar uma velha fotografia e aprender algo especial sobre a pessoa na foto. Não ache que você não é um bom wiccano só porque não tem plenas habilidades em psicometria. Muitos wiccanos também não podem fazer isso! A coisa mais importante é manter-se praticando e tentar sentir a energia.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Nice, a deusa da vitória

aeradasbruxas.blogspot.com.br
 
       Nice, (em grego Νίκη, Níkē ou Niké – "Vitória") era uma deusa grega que personificava a vitória, representada por uma mulher alada. Os romanos designaram o nome de Victória para Nice. Nice também pode representar asas. Seres alados.
   Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004, em Atenas, a imagem da deusa veio cunhada nas medalhas (ouro, prata e bronze) com referencia à Deusa Minerva, A Deusa da estratégia e das batalhas. Sua imagem é obrigatória em todas as medalhas dos Jogos Olímpicos de Verão. Essa imagem da deusa nas medalhas vem de uma escultura em mármore do século V a.C., feita pelo escultor Peônio. A mais famosa imagem de deusa é a de Samotrácia, exposta no museu do Louvre, em Paris.
   A deusa se encontra na mão direita de Atena, dando assim à deusa certeza de vitória em todas as batalhas travadas. Atena, em sua história, várias vezes já travou grandes batalhas contra deuses que desejavam para si a Níkē, e, graças à deusa alada, Atena sempre as venceu.
 
 A marca de roupas Nike teve seu nome inspirado na deusa Nice; assim, o símbolo da marca é semelhante a uma asa em homenagem à deusa alada da vitória.

Despina, deusa do inverno

aeradasbruxas.blogspot.com.br
     Despina (ou Despoina), na mitologia grega, era uma deusa, filha de Poseidon e Deméter. Tem um irmão gêmeo chamado Árion, um eqüino. Foi abandonada pela mãe ao nascimento, sem receber sequer um nome, pois a deusa estava muito preocupada em achar sua filha perdida Perséfone, que havia sido raptada por Hades. A criança foi adotada por Anitos, titã cujo nome lhe escolheu. Perséfone é a filha amada, e Despina era temida por ser uma deusa das sombras relacionada a fenômenos invernais como as geadas. Era ela quem cuidava da natureza enquanto sua irmã estava no mundo dos mortos, destruindo assim o que a Perséfone e sua mãe tanto amavam, a primavera e as flores. Também odiava seu pai Poseidon, lagos congelados eram sinais de sua presença em represália ao seu pai. Exercia pleno poder sobre o domínio de seus pais, mas preferia destruir do que fortalecer. Era tão temida que era chamada apenas de "senhora".

Hipnos, o deus do sono

aeradasbruxas.blogspot.com.br
  Hipnos ou Hipno é o deus grego do sono. De acordo com a mitologia grega, Hipnos é a personificação do sono, da sonolência; seu equivalente romano é Somnus. Segundo a Teogonia de Hesíodo, ele é filho sem pai de Nix (deusa da noite) , a escuridão acima de Gaia; outras fontes dizem que o pai é o Érebo (As Trevas Primordiais, que personifica a escuridão profunda e primitiva que se formou no momento da criação). Tem muitos irmãos, entre os quais o mais importante é seu irmão gêmeo Tânato, ("morte") a personificação da morte. Tanto que em Esparta, é comum sua imagem ser colocada sempre ao lado da morte, representada por seu irmão. Seus outros irmãos nasceram apenas da vontade de Nix ou da ajuda de Érebo.


Seus irmãos são:

Tânato, a morte;
Éter, a luz
Éris, a discórdia;
Hemera, o dia;
Hespérides, a tarde;
Apáte, o engano;
Filótes, a amizade;
Geras, a velhice;
Lissa, a loucura;
Momo, o escárnio;
Oizus, a miséria;
Lete, o esquecimento;
Até, o erro;
Nêmesis, a vingança;
Kera, o destino do homem em seus momentos finais;
Moro, o quinhão que cada homem receberá em vida;

         Hipnos é o responsável pelo descanso restaurador de todas as criaturas terrestres, enquanto ele pairava sobre a superfície. A Ilíada, de Homero, afirma que Hipnos mora em Lemnos, junto de sua esposa Grácia Pasitea, oferta da deusa Hera por seus serviços prestados. Normalmente, ao repousar, ele adotava a forma de uma ave.
    Ele e sua esposa tiveram os oneiros, seus filhos, responsáveis por distribuir os sonhos:


    Ícelo - criador dos pesadelos;
    Morfeu - criador dos sonhos;
    Fântaso - criador dos objetos inanimados que aparecem nos sonhos;
    Fantasia - única filha, criadora dos monstros, quimeras e devaneios.


      Costuma ser visto trajando peças douradas, em oposição a seu irmão gêmeo que normalmente usava tons prateados. Também pode ser retratado como um jovem nu dotado de asas, tocando flauta. Às vezes é mostrado como adormecido em um leito de penas com cortinas negras à volta. Seus atributos incluem um chifre contendo ópio, um talo de papoula, um ramo gotejando água do rio Lete ("Esquecimento") e uma tocha invertida.


           Hipnos vivia num palácio construído dentro de uma grande caverna no oeste distante, onde o sol nunca alcançava, porque ninguém tinha um galo que acordasse o mundo, nem gansos ou cães, de modo que Hipnos viveu sempre em tranquilidade, em paz e silêncio. Do outro lado de todo este lugar peculiar passava Lete, o rio do esquecimento, e nas margens, cresciam plantas que junto ao murmúrio das águas límpidas do rio ajudavam os homens a dormir. No meio do palácio existia uma bela cama, cercada por cortinas pretas onde Hipnos descansava, sendo que Morfeu tomava cuidado de que ninguém o acordasse.
      Pausânias, em sua obra Descrição da Grécia, menciona diversas vezes a presença de estátuas de Hipnos ao lado de seu irmão Tânato.


       As aparições deste deus menor são poucas nos mitos. De acordo com um deles, o deus se apaixonou pelo mortal As aparições deste deus menor são poucas nos mitos. De acordo com um deles, o deus se apaixonou pelo mortal Endímion e por isso lhe concedeu o dormir de olhos abertos, para que pudesse olhar nos olhos do amante mesmo enquanto este estava adormecido. Conforme outras fontes fora a deusa da lua Selene que se apaixonou pelo mortal e pediu aos outros deuses que o tornassem imortal, Zeus concordou, mas em compensação o fez dormir eternamente. e por isso lhe concedeu o dormir de olhos abertos, para que pudesse olhar nos olhos do amante mesmo enquanto este estava adormecido. Conforme outras fontes fora a deusa da lua Selene que se apaixonou pelo mortal e pediu aos outros deuses que o tornassem imortal, Zeus concordou, mas em compensação o fez dormir eternamente.

      quarta-feira, 17 de julho de 2013

      Fênix

         A fênix ou fénix é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em auto-combustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fénix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Podendo se transformar em uma ave de fogo. Teria penas brilhantes, douradas, e vermelho-arroxeadas, e seria do mesmo tamanho ou maior do que uma águia. Segundo alguns escritores gregos, a fénix vivia exatamente quinhentos anos. Outros acreditavam que seu ciclo de vida era de 97.200 anos. No final de cada ciclo de vida, a fénix queimava-se numa pira funerária. A vida longa da fénix e o seu dramático renascimento das próprias cinzas transformaram-na em símbolo da imortalidade e do renascimento espiritual.

      Suas lágrimas tem propriedades para curar qualquer tipo de doença ou ferida. Ela também suportava cargas muito pesadas, como elefantes, e dominava a arte da Pirocinese (produzia e manipulava o fogo).
      Os gregos parecem ter se baseado em Bennu, da mitologia egípcia, representado na forma de uma ave acinzentada semelhante à garça, hoje extinta, que habitava o Egito. Cumprido o ciclo de vida do Bennu, ele voava a Heliópolis, pousava sobre a pira do deus Rá, ateava fogo em seu ninho e se deixava consumir pelas chamas, renascendo das cinzas.
      Hesíodo, poeta grego do século VIII a.C., afirmou que a fênix vivia nove vezes o tempo de existência do corvo, que tem uma longa vida. Outros cálculos mencionaram até 97.200 anos.
          De forma semelhante a Bennu, quando a ave sentia a morte se aproximar, construía uma pira de ramos de canela, sálvia e mirra em cujas chamas morria queimada. Mas das cinzas erguia-se então uma nova fénix, que colocava piedosamente os restos da sua progenitora num ovo de mirra e voava com ele à cidade egípcia de Heliópolis, onde os colocava no Altar do Sol.
      Dizia-se que estas cinzas tinham o poder de ressuscitar um morto. O imperador romano Heliogábalo (204-222 d. C.) decidiu comer carne de fénix, a fim de conseguir a imortalidade. Comeu uma ave-do-paraíso, que lhe foi enviada em vez de uma fénix, mas foi assassinado pouco tempo depois.
      Atualmente os estudiosos creem que a lenda surgiu no Oriente e foi adaptada pelos sacerdotes do Sol de Heliópolis como uma alegoria da morte e renascimento diários do astro-rei. Tal como todos os grandes mitos gregos, desperta consonâncias no mais íntimo do homem. Na arte cristã, a fénix renascida tornou-se um símbolo popular da ressurreição de Cristo.
      Curiosamente, o seu nome pode dever-se a um equívoco de Heródoto, historiador grego do século V a.C.. Na sua descrição da ave, ele pode tê-la erroneamente designado por fénix (phoenix), a palmeira (phoinix em grego) sobre a qual a ave era nessa época representada.
      • A crença na ave lendária que renasce das próprias cinzas existiu em vários povos da antiguidade como gregos, egípcios e chineses. Em todas as mitologias o significado é preservado: a perpetuação, a ressurreição, a esperança que nunca têm fim.
      • Para os gregos, a fénix por vezes estava ligada ao deus Hermes e é representada em muitos templos antigos. Há um paralelo da fénix com o Sol, que morre todos os dias no horizonte para renascer no dia seguinte, tornando-se o eterno símbolo da morte e do renascimento da natureza.
      • Os egípcios a tinham por "Bennu" e estava relacionada a estrela "Sótis", ou estrela de cinco pontas, estrela flamejante, que é pintada ao seu lado.

      • Na China antiga a fénix foi representada como uma ave maravilhosa e transformada em símbolo da felicidade, da virtude, da força, da liberdade, e da inteligência. Na sua plumagem, brilham as cinco cores sagradas.Roxo, Azul, Vermelha, Branco e Dourado.
      • No início da era Cristã esta ave fabulosa foi símbolo do renascimento e da ressurreição. Neste sentido, ela simboliza o Cristo ou o Iniciado, recebendo uma segunda vida, em troca daquela que sacrificou.
      • No Acidente na mina San José em 2010, a cápsula que estava retirando um por um dos 33 mineiros foi chamada de Fênix, porque o resgate deles a uma profundidade muito funda de terra lembra a ressureição da ave mítica das cinzas.
       "Estas criaturas (outras raças de pássaros) todas descendem de seus primeiros, de outros de seu tipo. Mas um sozinho, um pássaro, renova e renasce dele mesmo - a Fénix da Assíria, que se alimenta não de sementes ou folhas verdes mas de óleos de bálsamo e gotas de olíbano. Este pássaro, quando os cinco longos séculos de vida já se passaram, cria um ninho em uma palmeira elevada; e as linhas do ninho com cássia, mirra dourados e pedaços de canela, estabelecida lá, inflama-se, rodeada de perfumes, termina a extensão de sua vida. Então do corpo de seu pai renasce uma pequena Fénix, como se diz, para viver os mesmos longos anos. Quando o tempo reconstrói sua força ao poder de suportar seu próprio peso, levanta o ninho - o ninho que é berço seu e túmulo de seu pai - como imposição do amor e do dever, dessa palma alta e carrega-o através dos céus até alcançar a grande cidade do Sol (Heliópolis, no Egito), e perante as portas do sagrado templo do Sol, sepulta-o" - Ovidio.

      A Fênix entre os persas

           O poeta persa sufista Farid al-Din Attar, no livro A Conferência dos Pássaros, de 1177, descreve a fênix:
      "Na Índia vive um pássaro que é único: a encantadora fênix tem um bico extraordinariamente longo e muito duro, perfurado com uma centena de orifícios, como uma flauta. Não tem fêmea, vive isolada e seu reinado é absoluto. Cada abertura em seu bico produz um som diferente, e cada um desses sons revela um segredo particular, sutil e profundo. Quando ela faz ouvir essas notas plangentes, os pássaros e os peixes agitam-se, as bestas mais ferozes entram em êxtase; depois todos silenciam. Foi desse canto que um sábio aprendeu a ciência da música. A fênix vive cerca de mil anos e conhece de antemão a hora de sua morte. Quando ela sente aproximar-se o momento de retirar o seu coração do mundo, e todos os indícios lhe confirmam que deve partir, constrói uma pira reunindo ao redor de sí lenha e folhas de palmeira. Em meio a essas folhas entoa tristes melodias, e cada nota lamentosa que emite é uma evidência de sua alma imaculada. Enquanto canta, a amarga dor da morte penetra seu íntimo e ela treme como uma folha. Todos os pássaros e animais são atraídos por seu canto, que soa agora como as trombetas do Último Dia; todos aproximam-se para assistir o espetáculo de sua morte, e, por seu exemplo, cada um deles determina-se a deixar o mundo para trás e resigna-se a morrer. De fato, nesse dia um grande número de animais morre com o coração ensanguentado diante da fênix, por causa da tristeza de que a veem presa. É um dia extraordinário: alguns soluçam em simpatia, outros perdem os sentidos, outros ainda morrem ao ouvir seu lamento apaixonado. Quando lhe resta apenas um sopro de vida, a fênix bate suas asas e agita suas plumas, e deste movimento produz-se um fogo que transforma seu estado. Este fogo espalha-se rapidamente para folhagens e madeira, que ardem agradavelmente. Breve, madeira e pássaro tornam-se brasas vivas, e então cinzas. Porém, quando a pira foi consumida e a última centelha se extingue, uma pequena fênix desperta do leito de cinzas. Aconteceu alguma vez a alguém deste mundo renascer depois da morte? Mesmo que te fosse concedida uma vida tão longa quanto a da fênix, terias de morrer quando a medida de tua vida fosse preenchida. A fênix permaneceu por mil anos completamente só, no lamento e na dor, sem companheira nem progenitora. Não contraiu laços com ninguém neste mundo, nenhuma criança alegrou sua idade e, ao final de sua vida, quando teve de deixar de existir, lançou suas cinzas ao vento, a fim de que saibas que ninguém pode escapar à morte, não importa que astúcia empregue. Em todo o mundo não há ninguém que não morra. Sabe, pelo milagre da fênix, que ninguém tem abrigo contra a morte. Ainda que a morte seja dura e tirânica, é preciso conviver com ela, e embora muitas provações caiam sobre nós, a morte permanece a mais dura prova que o Caminho nos exigirá".


      A Fênix na literatura ocidental moderna


      Uma fênix é protagonista da novela "A Princesa da Babilônia" de Voltaire. Voltaire faz a seguinte descrição desta ave fabulosa:
      "Era do talhe de uma águia, mas os seus olhos eram tão suaves e ternos quanto os da águia são altivos e ameaçadores. Seu bico era cor-de-rosa e parecia ter algo da linda boca de Formosante. Seu pescoço reunia todas as cores do arco-íris, porém mais vivas e brilhantes. Em nuanças infinitas, brilhava-lhe o ouro na plumagem. Seus pés pareciam uma mescla de prata e púrpura; e a cauda dos belos pássaros que atrelaram depois ao carro de Juno não tinham comparação com a sua."



      domingo, 7 de julho de 2013

      Como proteger-se de ataques psíquicos


         Eu iniciei meu caminho na senda quando tinha por volta de 12 anos de idade. Nos últimos 20 anos pude observar que a maioria das pessoas não levam em consideração a realidade e meu lugar nela. Uma das observações que constatei ser verdade é que durante todo o tempo que você se torna ativamente engajado no processo de aperfeiçoamento de seu Potencial Ilimitado, sua aura, sua energia, sua alma em si começa a brilhar com mais intensidade.
      Pessoas podem sentir isto e, com certeza, podem reagir a isto. A maioria das pessoas são atraídas por aqueles que brilham; Elas tem o senso instintivo que podem confiar naquela pessoa, e mais ainda, elas podem aprender com aquela pessoa.
      Entretanto, existe um lado sombrio, ou negativo, por possuir um brilho radiante. A maioria das pessoas que tem experiência em ocultismo não lhe dirão isto, eles lhe dirão que se você aumentar sua ressonância energética e expandir sua aura, tudo ficará sossegado, numa boa.
      Bem, eu fiz um compromisso com você, lhe dizer a verdade, não importa ela qual seja, porque vi em você seu absoluto POTENCIAL ILIMITADO, e sei que pode lidar com qualquer coisa e algo mais, uma vez que tenha a informação correta.
      O lado sombrio do brilho radiante é que nós vivemos em uma era sombria de um mundo sombrio. E desse modo, se você possui um brilho radiante estando numa era sombria de um mundo sombrio, você está um tanto quanto fora de seu ambiente.
      De fato, você se encontrará como uma luz brilhante numa noite escura.
      Se já acendeu uma luz ou sentou-se ao redor de uma fogueira no meio da noite então sabe o que acontece: Enxames de insetos desagradavelmente pequenos e nojentos avançam para a luz. Eles querem tão desesperadamente estar perto da luz, porém não possuem nenhuma capacidade intelectual para manter uma distancia segura, nem os recursos para criar sua própria luz.
      E então o que fazem?

      Geralmente voam diretamente para o fogo e se matam instantaneamente, ou ficam vagando em volta da luz brilhante, irritando aqueles que desfrutam da luz e do calor com conforto e responsabilidade.
      Algumas vezes, os insetos perturbam tanto aquelas pessoas em volta que estas acabam dando um jeito neles.
      Então vamos levar isto para o lado espiritual:
      Se você é uma luz radiante em um mundo sombrio, você atrairá seres, forças e pessoas. Alguns desses seres, forças e pessoas mais evoluídos reconhecerão seu brilho pelo que ele é, e perceberão que eles também podem possuir isto.
      Outros seres, forças e pessoas mais atrasados reagirão violentamente contra você, porque sentem que não possuem os recursos para criar o brilho por eles próprios, e não suportam o fato que você conseguiu por você mérito próprio. Mas, caro leitor, não há nada com o que se preocupar pois a fonte de poderes através da qual desenvolveu suas habilidades e tem expandido sua luz interior para uma visível e solida permeação, é utilizada para criar todas as coisas, sustentar todas as coisas e pode ser usada para destruir todas as coisas.
      Tudo que é necessário é que foque esse poder de uma maneira que afaste aqueles que lhe desejam fazer mal, e ao mesmo tempo se cerque com uma esfera de proteção que nenhum ataque futuro seja bem sucedido!

      Aqui está o que deve fazer!

       

      Sente em uma cadeira no centro de uma sala, de frente para o norte.
      1. Inspire profundamente, tendo certeza que permanece consciente do ar entrando em sua boca, passando pela sua garganta chegando em seus pulmões. Segure a respiração por um momento, longo o suficiente para sentir seus pulmões, peito e todo o tórax alongados e expandidos.
      2. Observe o aposento que se encontra(tanto faz se os olhos estiverem abertos ou fechados). Em vez de olhar as paredes, o chão ou os objetos a sua volta, focalize sua atenção no ar que te envolve. Inale profundamente, segurando sua respiração momentaneamente, e então exale, mantendo sua atenção no ar do aposento. Repita algumas vezes sentindo a conexão entre você e o ambiente a cada vez que ele lhe concede o ar e em troca você o devolve.
      3. Enquanto olha as incontáveis partículas de ar a sua volta, visualize que elas lentamente se iluminam, como se elas estivessem absorvendo um pouco do sol, ou da luz artificial em seu quarto e refletindo toda essa luz, como se fossem prismas microscópicos.
      4. A partir deste ponto é melhor continuar com a visualização de olhos abertos. Não espere ver essas coisas com seus olhos físicos, permita que a sua percepção preencha a sua mente conforme você olha ao redor da sala. Saiba que isto está acontecendo e sinta.(NT Olhe com os olhos da mente.)
      5. Enquanto olha as pequenas partículas de luz, perceba que elas são mais que moléculas de ar, visualize-as incandescendo mais intensamente, a luz se propagando a partir dos centros, brilhando como um milhão de sóis que lhe envolvem. O ar a sua volta deve parecer como se estivesse radiante, o calor e luz preenchendo toda a sala.
      6. Inspire esta luz, e vivencie-a. Sinta o calor e o poder da luz entrando em você. Em vez de mover para os pulmões, sinta e visualize seu corpo todo sendo preenchido com esse silvo luminoso.

      1. Quando sentir que está completamente repleto de luz, feche seus olhos e direcione sua atenção inteiramente para seu interior. Sinta a luz que agora está em você, incandescendo como mil sóis. Expirando, libere essa luz, como uma esferas iluminadas sendo empurradas por todos os poros, especialmente pelo seu plexo solar, na área do estômago. Visualize a onda de choque desta explosão de luz destruindo seus inimigos e qualquer poder que esteja te ameaçando. Se sente o ataque vindo de uma direção específica, erga sua mão nessa direção e descarregue a luz desta forma.
      Este método limpara sua área de todo o mal, negando os trabalhos que outros podem estar fazendo contra você.
      Seja vigilante, no entanto, porque até seus inimigos estarem inteiramente destruídos, de corpo e alma, eles continuarão a te perseguir.
      Nesses casos, os trabalhos de Baneful Magick podem remover estas pragas da existência.

      FONTE: http://www.mortesubita.org/
      Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
       
      Wordpress Theme by wpthemescreator .
      Converted To Blogger Template by Anshul .