domingo, 16 de novembro de 2014

Talismãs e amuletos


   Desde os tempos mais remotos, as pessoas tem cultuado os mais diversos tipos de objetos, atribuindo-lhes funções, como, por exemplo, proteger, atrair a fortuna ou satisfazer pedidos.
    No entanto, talismãs e amuletos não são a mesma coisa.
     Os talismãs são ativos e dinâmicos, características que os tornam semelhantes a uma espada.
    Os amuletos, ao contrário, são objetos capazes de neutralizar as energias negativas, agindo como proteção e podendo ser, simbolicamente, comparados a um escudo. Em resumo, pode-se dizer que a força ativa do talismã ataca, enquanto a força passiva do amuleto defende.


Tipos de talismãs



Chave -  Representa força e inteligência para assimilar o passado, condições essenciais para abrir as portas do futuro.

Coração - Segundo os egípcios, o coração é o lugar onde habita a alma. Para evitar que ela escape ou seja atacada, o coração precisa estar protegido pela força de um talismã que tenha a sua forma, garantindo, assim, força espiritual e felicidade.

Cruz alçada - Composta por uma cruz com uma alça na parte superior, era o símbolo da vida no Egito Antigo. Dá conhecimento, poder e abundância a quem o usa.

Escaravelho -  Esse símbolo deriva do besouro, muito comum no Egito, e quem o usar terá boa saúde e vida longa.

Ferradura - Um dos talismãs mais conhecidos, é portador de boa sorte e dinheiro.
   Atenção: Uma ferradura deve ter sempre sete furos.

Lua Crescente - Era usado pelas mulheres romanas para afastar os maus espíritos da Lua, que provocam histeria, desilusões e loucura. Como talismã traz sorte no amor.

Número 13 - Tradicionalmente considerado um número de azar, ele é também tido como portador de boa sorte.

Pentagrama - Essa estrela de cinco pontas tem poderes misteriosos e é usada principalmente contra a bruxaria.

Serpente - Animal que sempre impressionou vivamente as pessoas, a serpente possui várias representações simbólicas, que tem em comum uma constatação: Ela traz sabedoria, vitalidade e inteligência a quem usá-la como talismã.
   A serpente mordendo a própria cauda - muito usada em anéis e pulseiras - é, portanto, excelente para estudantes.

Sino - Antigamente, era usado para afugentar demônios, pois acreditava-se que eles tinham medo dos sons muito fortes. Até hoje, as pessoas acham que eles impedem as forças do mal de se aproximarem. Por isso, como talismã, o sino é usado para afastar as energias negativas.

Trevos de 4 folhas - Segundo a tradição, encontrar esse trevo traz sorte. Como talismã, é portador de felicidade e fortuna.

Outros talismãs para atrair a boa sorte - Figa, chocalho de cascavel, galho de arruda, coruja, imagem de Buda.


Amuletos

 

   Entre os amuletos mais conhecidos estão as pedras, preciosas ou não. Cada uma delas possui uma "personalidade" e energiza seu portador com uma energia especial.
    As pedras também protegem contra os opostos de suas propriedades positivas, quer dizer, aquela  que dá amor, ao mesmo tempo, protege contra o ódio.

Ágata preta - Dá coragem e valor, favorece a prosperidade.

Ágata rosa - Traz calma e paz.

Água- marinha - Pedra da juventude, da esperança e da saúde.

Ametista - Acalma o coração.

Carbúnculo - Dá resolução, energia, confiança em si mesmo e bem-estar físico.

Coral - Traz dedicação e afeto.

Crísoberilo - Favorece a inteligência e a cautela.

Diamante - Garante o afeto e a fidelidade, assim como a cordialidade e a sinceridade.

Diaspório - Dá prazer e felicidade.

Esmeralda - Favorece o amor e a sensualidade.

Granada - Dá energia, poder de decisão, fidelidade e simpatia.

Lápis-lazúli - Traz capacidade de ação e sucesso.

Malaquita - Consola de um amor infeliz e acalma os desejos.

Olivina - Dá modéstia, simplicidade, prazer e felicidade.

Ônix - Afasta os pesadelos e as desgraças.

Opala - Favorece a segurança e a fidelidade.

Pérola - Dá pudor e pureza; quando é usada por quem não a merece, traz lágrimas.

Rubi - Favorece o amor, dá beleza e intuição, garante o sucesso.

Safira - Conserva a castidade e protege a virtude.

Selenita -  Dá nobreza à vida sentimental, esperança e pureza.

Topázio - Garante o amor, o afeto e a simpatia.

Turquesa - Dá coragem que leva à vitória.


Praticando a visualização

    A visualização é uma da mais eficientes práticas mágicas e é muito simples de realizar, embora exija bastante concentração. Quando se cria o pensamento com fé, cria-se também o terreno para a sua realização.

I - O Perdão


   Aprenda a perdoar quem o ofendeu, pois o perdão dissolve o ressentimento e o liberta do passado.

Como fazer:

   Acenda um incenso, se quiser, e sente-se numa posição confortável. Feche os olhos e deixe que seu corpo e sua mente relaxem.
   Imagine que você está na plateia de um teatro. No pequeno palco à sua frente, ponha uma pessoa da qual guarda ressentimentos. Pode ser alguém do presente ou passado, vivo ou morto, que ainda está na sua vida ou não. 
   Você vê essa pessoa com nitidez, iluminada pelos holofotes. Preste atenção ao jeito dela, à roupa que está vestindo. Visualize coisas boas lhe acontecendo. Veja-a sorrindo e feliz. Mantenha essa imagem por alguns momentos. Se quiser, suba ao palco para abraçá-la. Depois, deixe que ela desapareça lentamente.
    Quando ela sair do palco, coloque-se no mesmo lugar. Veja coisas boas acontecendo a você, também. Veja-se sorrindo e feliz.
   
   Esta visualização ajuda a perdoar e tomar consciência de que a abundância do Universo está disponível para todos nós.

II - A Vingança


      Muitas vezes, a raiva que você sente é tão grande que você sente é tão grande que você não consegue perdoar. O melhor, nesses casos, é vingar-se, para, então, sentir-se livre para perdoar.

   Acenda um incenso, se quiser, e sente-se em uma posição confortável. Feche os olhos e deixe que seu corpo e sua mente relaxem.
    Pense na pessoa que o ofendeu e veja-a à sua frente. O que você gostaria de fazer com ela? Imagine a situação em detalhes. Não economize sofrimento: Você só terá essa oportunidade! E ninguém vai ficar sabendo, nem você precisará pagar por isso.
   Quando acabar de "torturá-la", faça com que ela se sente à sua frente e converse com ela. Conte-lhe como você se sentiu com o que ela lhe fez e também enquanto vingava-se dela. Diga-lhe que, agora, vocês estão quites e você está pronto para perdoá-la. Para terminar,  abrace-a com amor. Não se preocupe se não conseguir abraçá-la e perdoá-la na primeira vez. Às vezes, a mágoa é tão grande que precisa ser dissolvida aos poucos... Não desista... Ao contrário, tente várias, até conseguir. Lembre-se: Quem irá lucrar com isso é você mesmo.

III - O amor


   O amor que existe em nosso coração é tão grande que apenas uma pessoa sozinha curar o planeta. Por que estamos usando com tanta economia? Ele não vai acabar, ao contrário, é dando que recebemos mais amor.
   Vamos, então, plantá-lo em todas as terras, para que se multiplique, regá-lo com todas as águas, para que cresça, queimá-lo em todos os fogos para que se purifique, espalhá-lo pelos quatro cantos da terra para que leve a nossa mensagem e possa ser doado a cada pessoa que cruzar o nosso caminho. Vamos usá-lo para enfeitar e alegrar a nossa vida.

   Visualize uma estrada. Imagine-a do jeito que quiser. Enfeite-a com todas as flores e cores ou com todas as pedras e o pó que conseguir. Veja que por ela vem vindo uma criança de três ou quatro anos. Repare bem nela: Como está vestida, como se comporta. Perceba como ela se sente sozinha e confusa naquele lugar desconhecido...
    Quando ela chegar perto de você, olhe-a bem nos olhos. Sinta a sua tristeza... Veja como ela se sente abandonada... As lágrimas que lhe escorrem pelo rosto... Ela estende os bracinhos para você. Abra os braços e receba-a com amor. Aperte a criança trêmula contra o seu peito. Abrace-a com carinho, beije-a com ternura, acalente-a no colo e sinta o seu coração se enchendo de amor. Diga a ela que você a ama e que ela é importante pra você. Admire tudo o que ela é, tudo o que ela faz, tudo o que existe nela e diga-lhe que não há mal nenhum em se cometer erros quando se está aprendendo. Prometa-lhe, que, aconteça o que acontecer, você sempre a apoiará.
   Agora, deixe que ela fique pequenina, tão pequena que caiba no seu coração. Coloque-a dentro dele com o rostinho virado para você, para que possa olhá-la nos olhos e dar-lhe muito amor.
   Agora, imagine novamente a mesma situação, mas substitua esta criança sem rosto por alguém conhecido. Você pode começar repetindo o exercício com seus pais, mas também pode fazer essa magia com todas as pessoas que você conhece.

Sortilégio para proteção

   Proteja-se contra pessoas invejosas, ciumentas e com energia negativa em geral, fazendo este pó mágico.

Ingredientes:

Polvilho azedo
Pimenta-do-reino
Alho
Sal
Páprica
Curry

Como fazer:

Em uma noite de Lua Minguante, misture todos os ingredientes, que deverão estar em pó, pedindo proteção aos seus guardiões. Coloque-os dentro de um envelope ou em um papel branco e dobre-o quatro vezes. Deixe-o em um lugar de destaque, na sala de visitas de sua casa, mas não diga a ninguém o que é aquilo e se possível, impeça que o toquem. Pode deixá-lo escondidinho, atrás de um bibelô, por exemplo.

Magia contra o mau-olhado

Você vai precisar de:
33 pedrinhas de sal grosso
Um copo virgem
Água

Como fazer:
   Pegue as pedrinhas de sal  grosso e jogue em um copo que nunca tenha sido usado antes. Acrescente água filtrada ou fervida e deixe no sereno por três noites. Em seguida, molhe com essa água os quatro cantos de sua casa.

sábado, 12 de julho de 2014

Participar de um coven ou não? Eis a questão!



  A wicca pode ser dividida em duas categorias: eclética e tradicional.
Os wiccanos ecléticos compilam suas práticas de uma variedade de fontes, e os wiccanos tradicionais valem-se de um sistema de práticas estabelecidas por alguma outra pessoa e possuem um determinado nível de consistência. As linhas gerais são tênues e se confundem, porque há wiccanos que se proclamam membros de uma tradição, mas selecionam práticas de fontes diversas. Embora, selecionem e escolham, grupos como esses têm frequentemente algum ponto de continuidade, tais como trabalhar somente com deusas celtas ou usar um formato específico para seus círculos, mesmo se as partes individuais dos rituais tiverem mudanças.

  Wiccanos ecléticos têm muita liberdade. Podem tomar os elementos rituais que gostam dos livros, dos rituais abertos, dos amigos e das fontes em linha e negligenciar as peças de que não querem se valer. Podem compor rituais simples e objetivos ou ritos elaborados. Podem praticar sozinhos ou nos grupos, responder a ninguém e fazer seus rituais servirem perfeitamente a suas necessidades. Eles têm poder para o autoestudo e para construir seu próprio trajeto, mesmo se trabalham em um grupo. Isso é o que há de mais poderoso na wicca.
  Quando você aprende wicca por si mesmo, entretanto, e ao contrário de aprender um sistema coesivo de outra pessoa, podem haver coisas que faltem em você. É difícil perceber as próprias falhas e limitações quando não há alguém presente para lhe mostrar o caminho. Se você está aprendendo em uma tradição, as possibilidades são de que esteja recebendo seu treinamento de maneira mais coesiva e sistemática.

  A parte negativa da prática tradicional é a sua falta de espontaneidade. Embora, possa haver uma liberdade dentro da estrutura, ainda há uma estrutura.

Vantagens do trabalho em grupo

   Algumas das vantagens do trabalho nos grupos são a possibilidade de compartilhar o trabalho e ter com quem conversar sobre suas ideias.  Outros podem ajudá-lo a validar e interpretar suas experiências e a não se sentir só. Você tem apoio e pessoas que entendem  o que está tentando alcançar. Cada membro de um grupo tem forças e fraquezas, assim há equilíbrio  e um aprende com o outro. Cada membro, igualmente, tem experiências que podem acrescentar valor ao grupo. Um pode ter estudado a mitologia celta e outro, a grega. Todos são uma fonte de aprendizado. Estar em um grupo pode motivá-lo bastante. É difícil se perder se você tem outros em quem se apoiar. 

Desvantagens do trabalho em grupo


   A parte negativa do trabalho em grupo é que você não pode fazer tudo o que quer, sempre que quiser, sem levar em conta a opinião ou as preferências de outras pessoas. Você ter que tratar os egos, a política e os conflitos da personalidade. Você pode ter um membro que usa ou se encosta em outro. Você pode ter membros que não fazem sua parte do trabalho, aparecem tarde nas reuniões, não contribuem com aquilo que precisa e geralmente dispersam o resto do grupo. Você tem que planejar suas reuniões e rituais em função das programações pessoais de outras pessoas. Você pode discordar sobre que deidades com as quais gostaria de trabalhar, como você gostaria de moldar o círculo, se tomará vinho branco ou tinto e sobre tudo mais.
   Decidir se trabalhará em um grupo ou em um "voo solitário" é uma escolha difícil. Lembre-se disso na escolha, embora você possa sempre mudar de ideia mais tarde. Se se juntar a um grupo, você pode deixá-lo. Se decidir trabalhar sozinho por um tempo, você pode juntar-se a um grupo posteriormente. Muitos wiccanos flutuam entre o grupo e o trabalho solitário dependendo de suas programações.

Se você não quiser trabalhar sozinho pode trabalhar com um amigo ou começar seu próprio grupo. Uma das maneiras mais fáceis de explorar a wicca com outro é encontrar um amigo ou dois igualmente interessados em wicca e trabalharem juntos como um grupo pequeno. Se começar com amigos, seu grupo será, provavelmente, bastante confortável para você e fornecerá um espaço seguro para o aprendizado. Começar o seu grupo pode dar muito trabalho, mas com somente alguns membros será mais fácil, e você pode dividir o planejamento, a escrita e o recolhimento de recursos entre vocês. Se trabalhar com sucesso em seu pequeno grupo por um tempo, você pode decidir se quer aceitar novos membros e seu pequeno grupo pode vir a evoluir para um coven. Não há nenhum mínimo ou máximo de participantes ou membros para um coven, embora muitos wiccanos acreditem ser necessárias pelo menos três pessoas.

   Outra opção é procurar um coven que já existe e se juntar a ele. Dependendo de onde mora, isso pode ou não ser possível para você. Cada coven terá suas próprias regras sobre quem poderá se juntar e quando. Alguns começam a ensinar pessoas novas no início do ano, então é somente nessa época que eles aceitam estudantes. Outros tem uma política mais abertas e as pessoas entram e saem de acordo com suas vontades e necessidades. Outros, ainda, exigem inscrições e para que o requerente encontre o grupo várias vezes antes para certificar-se de que a escolha é confortável e compatível para todos. Muitos covens votam para decidir se os membros podem se juntar a eles.

Participe de um ritual público


  Encontrar rituais abertos pode ser difícil se você vive em uma zona rural, mas muitas cidades tem pelo menos um grupo de wicca que veicula rituais públicos, e há grupos rurais cada vez mais abertos que se destacam. As vantagens do ritual aberto está no fatos de que os círculos são frequentemente diferentes em cada ocasião, além de que o trabalho e o planejamento foram feitos por outra pessoa, assim você pode apenas ir, apreciar e aprender. É uma boa maneira de encontrar outros wiccanos em sua região,  e talvez encontrar até mesmo membros de um coven ao qual você gostaria de se juntar, embora os covens tenham seus próprios rituais secretos, os membros podem igualmente ir a rituais públicos para se socializarem, procurar membros ou estudantes potenciais ou para considerar apenas como outras pessoas realizam os ritos.

Encontre um mentor

   Encontrar um mentor pode ou não ser o mesmo que procurar um coven, porque alguns mentores dirigem covens e outros não o fazem. Alguns são "covens de aprendizado", e é permitido aos estudantes tornarem-se membros após os estudos com o mentor após um tempo. Alguns mentores aceitam estudantes individuais e outros tomarão em um pequeno número de estudantes por um período de tempo. Nesse último caso, no fim do treinamento, o estudante acaba seguindo adiante em vez de juntar-se a um grupo que poderia se estabelecer.

  Se está estudando com um mentor, sozinho ou em classe, ou como parte de um coven de treinamento, provavelmente será pedido a você para cumprir uma série de tarefas, incluindo ler livros de uma lista de leitura, fazer exercícios escritos ou registrar sua jornada e suas experiências, exercícios, exercícios a respeito de sua energia, estudos da mitologia e dos deuses e aprender sobre ética, mágica e criação e execução de rituais. Pode ou não haver um teste ou vários testes. 

  Frequentar classe de wicca é diferente de trabalhar com um mentor. São geralmente classes abertas realizadas em um lugar público, tal como uma livraria. Se você tem uma livraria esotérica próxima (ou espaço holístico), verifique se oferecem classes ou procure conhecer qualquer um que o faça. As classes de wicca realizadas nas lojas são frequentemente informais e a qualidade varia de excelente a péssima.

  Se você não consegue encontrar um grupo que goste por alguns dos meios convencionais já mencionados, é possível considerar juntar-se a um coven online. Estes não podem fornecer a prática e o ensino ao vivo, mas oferecem a sustentação e os recursos.

Participe de um coven online

  Encontrar um grupo em sua região dependerá de onde você vive. O mais fácil, e possivelmente o melhor, recurso para encontrar um grupo são os websites. Você pode igualmente colocar o nome de sua cidade e a palavra "wicca" em algum mecanismo de busca de internet e ver o que aparece. Alguns covens e grupos tem seu próprio site. Evite grupos que procuram vender coisas como Livros Das Sombras caríssimos ou cursos de wicca. A maioria desses grupos estão ali apenas por algum charlatão do momento, e a qualidade do material enviado é muito pobre, se você chegar mesmo a recebê-lo.


Fonte: texto adaptado do livro Wicca Para Iniciantes, de Thea Sabin. Universo dos livros.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

deusa Cerridwen

http://paganpages.org/content/wp-content/uploads/2009/09/Cerridwen.jpg
Hoje, 03 de julho é o festival em homenagem à deusa celta Cerridwen.
  Na tradição galesa, Cerridwen é uma deusa tríplice (donzela, mãe e mulher idosa), cujo animal totêmico é uma grande porca branca, uma das formas pela qual é representada. Essa deusa é a mãe que conserva todos os poderes da sabedoria e do conhecimento e ajuda seus protegidos em momentos de dificuldades e anulação de qualquer tipo de malefício.
   Cerridwen é um jogo de antíteses, sendo ao mesmo tempo o caos e a ordem, a luz e as trevas. Esta deusa também está ligada à morte, à fertilidade, à inspiração, à astrologia, às ervas, aos encantamentos e ao conhecimento. Cerridwen dá aos seus protegidos o benefício dos extremos: amam demais e não perdoam jamais. Isso pode ser uma carga, mas também pode ser a promessa de uma vida emocionante.
  Cerridwen é protetora dos escorpianos.

O Caldeirão é onde a deusa prepara suas poções, sendo este o principal objeto dos cultos pagãos antigos para representá-la, considerado o útero divino da Grande Mãe, de onde ‘nasciam’ os encantamentos, mais um símbolo de fertilidade. Os famosos bardos celtas deviam sair em uma perigosa busca pelo Caldeirão de Cerridwen como iniciação. Alguns acreditam ser esta uma das lendas que poderiam ter originado a busca pelo Graal.

É uma deusa sempre associada à morte e renascimento, fertilidade, regeneração, inspiração, magia, astrologia, ervas, poesia, encantamentos e conhecimento. Seu consorte na cultura pagã é geralmente o deus Cernunos e juntos representam a dualidade da natureza.

Enquanto a deusa cria, o deus destrói, formando o infinito ciclo de vida e morte, começo e fim, ressurgimento contínuo, renovação.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Como realizar uma viagem astral

  Agora que você tem um pouco mais de experiência em se concentrar em uma única imagem, é possível expandir essa experiência para o seu caminho.  Assim como a meditação, trabalhar o "caminho" começa por "assentar-se" (ligar-se à terra), relaxar e entrar em estado de transe. Contudo, uma vez que você tenha chegado ao transe, ao invés de focar em uma única imagem, você permitirá que a sua mente o guie numa jornada pelo seu caminho ou para um destino que você escolheu antes de começar. Wiccanos se valem do caminho de diferentes maneiras, entre outras:

Para falar com os deuses


  Os deuses existem na terra, mas é muito mais fácil alcançá-los se você for aonde eles estão - o outro mundo, o reino espiritual. Em meditação, você pode viajar para o mundo dos deuses e aprender sobre eles em contexto. Eles podem lhe mostrar ou ensinar coisas que no seu caminho seriam difíceis de experimentar no plano mundano.

Construir um templo astral


  Um templo astral é um lugar que você cria na sua mente para onde você vai quando quer fazer magia ou se comunicar com os deuses, entre outras coisas. Trabalhar o caminho em direção a um templo astral usualmente envolve fazer múltiplas viagens astrais a esse local, fazendo-o mais e mais concreto e claro cada vez que você o visita.

Para conseguir informação psíquica

   Você pode usar o seu caminho para encontrar guias úteis a quem perguntar e de quem conseguir informação. Por exemplo, você pode desenhar uma viagem para ir de encontro com o seu eu interior (numa personificação do seu subconsciente), para pedir-lhe  para pedir-lhe para localizar um foco de dor no seu corpo ou pode visitar os espíritos animais ou humanos de um local sagrado para aprender sobre o significado daquela área. Da mesma forma, você pode usar o caminho para encontrar, falar e conseguir informação dos mortos.

   Uma das coisas mais importantes a se lembrar quando você está trabalhando o seu caminho é que é necessário ter o seu lugar da sua jornada, e você deve deixar esse caminho pelo mesmo lugar que encontrou - para não se perder - . Por exemplo, algumas pessoas visualizam o começo de suas jornadas indo em direção a uma porta ou um portão e eles passam por essa mesma porta ou portão em seu retorno para o "real", o mundano, o mundano, o mundo tal qual conhecemos. Outros imaginam começar na entrada de um túnel e ir retornando em direção à saída desse mesmo túnel. Refazer os seus passos é importante porque isso faz com que sua mente reconheça os sinais que o trarão de volta ao mundo real. Você quer fazer isso de maneira clara para si mesmo para que possa voltar completamente e não de maneira a deixar um pé na terra e outro no além . Quando você está trabalhando o seu caminho em uma jornada, o seu eu psíquico e espiritual, não o seu eu físico, é quem faz a viagem. Você quer ter certeza de que seu eu psíquico seja reunido no final desse trabalho.  Se os dois não se reconectarem corretamente, você se pode se sentir desorientado, perdido, enjoado ou incompleto pela falta de uma palavra melhor. Eliade propõe que os xamãs são considerados um pouco loucos porque estão simultaneamente em ambos os mundos e por isso nunca completos em nenhum. Não entre em pânico, apesar de tudo: se você andar pelo seu caminho e acabar se perdendo da sua trilha, não se tornará um xamã louco. Se você não conseguir arranjar uma situação para retornar completamente do seu caminho por um portal ou qualquer outro recurso visual que tenha usado, visualize a você mesmo se reintegrando a qualquer parte sua que tenha ficado para trás, trazendo-a de volta, clara e deliberadamente pelo caminho que veio, e faça um longo processo de assentamento ao voltar.
   Se você estiver realmente preocupado em não conseguir voltar, tente o truque de Teseu (Teseu e o Minotauro). Quando você entrar no caminho, até uma corda dourada ou uma linha em seu portal ou porta de saída e a outra corda no seu braço. Se você se perder ou se sentir desorientado durante o caminho, é possível seguir a corda de volta. Outra opção é ter alguém por perto no cômodo com você enquanto trilha o caminho. Essa pessoa pode guiá-lo de volta, levando-o verbalmente para o ponto de sua entrada se você se perder.
   Também é importante usar a mesma entrada e saída porque sua mente saberá o lugar corretamente e você pode sair de lá facilmente mesmo que não esteja trazendo consigo a corda dourada do truque de Teseu, o que torna as coisas muito mais simples para entrar em seu caminho e achar o retorno. Isso também significa que você pode gastar menos tempo e energia em sua "indução" (a parte inicial da viagem que você repete a cada jornada) e mais tempo na sua jornada atual.

Decidindo o caminho

   Para começar a trilhar o caminho, primeiro deve-se decidir alguns detalhes particulares da sua viagem, como a razão pela qual você está nessa jornada, seu intento ou destino, quem ou que que coisa você gostaria de encontrar. Mantenha em sua mente que você pode encontrar todo tipo de coisa que não planejou e que estará na sua jornada. Você também pode decidir qual imagem gostaria de usar para sua indução ou transição entre o mundo material e espiritual. Você pode usar as ideias da porta, do portal ou do túnel, ou criar a sua própria.
    Quando escolhe esses fatores da sua viagem, você tem o cenário da sua história pessoal. O cenário tem três partes: a indução, a parte que você entra em transe e adentra o caminho; o corpo, quando você faz aquilo que precisa fazer em seu caminho; e o encerramento, que é quando você sai do caminho. Em muitos trabalhos relativos ao caminho, incluindo o exemplo a seguir, o encerramento e a indução tem quase o mesmo script, mas o corpo não é o mesmo. Isso porque você não pode planejar tudo o que acontecerá em sua viagem. Se pudesse, não haveria porque seguir adiante. Escreva a seguir sua estrutura. Uma vez feito isso, você pode querer ler e gravar, pois assim é possível usar o som da sua própria voz, você pode pedir a um amigo que faça a gravação da indução no seu lugar, ou, quando você chegar em sua jornada atual, você pode pedir a ele para ler a indução para você, ou você pode ainda simplesmente imaginar-se no ponto inicial.
   Os passos para a jornada são muito similares aos da meditação:

  1. Escolha um lugar clamo e seguro para realizar o seu trabalho. Desligue o telefone. Coloque um aviso de "não perturbe" na porta. Relaxe.
  2. Use uma das técnicas de assentamento, preferencialmente uma que não tenha grandes exigências.
  3. Feche os olhos se eles ainda não estiverem fechados. Ligue o seu gravador ou diga ao seu amigo para começar a ler, ou ainda, comece a visualizar o ponto de entrada de sua jornada. Escutar ou imaginar a indução da sua história deve servir como indutor de transe em muitos casos. Ainda, se você achar que está tendo problemas diminuindo o seu nível de consciência, tente respirar pausadamente enquanto ouve.
  4. Ouça a indução. Veja você mesmo na porta, portal ou túnel. Tome um momento para gravar esse lugar em sua mente. Veja você mesmo chegando a tocar essa porta, portal ou túnel. Sinta quão real aquilo é.
  5. Uma vez que a imagem do seu ponto inicial está sólida em sua mente e você está em um leve estado de transe, comece a sua jornada.
  6. Conforme você experimenta o seu caminho, preste bastante atenção aos detalhes que você vê, toque, cheire, ouça, e diga a si mesmo que vai se lembrar deles até mesmo depois que não estiver mais em estado de transe. 
  7. Se você encontrar alguém em seu caminho - humanos, deuses, fadas, elfos, espíritos animais, fantasmas, personagens do folclore ou qualquer outro tipo de ser - seja educado! Não toque ou transforme em seu, nada que não queira ser tocado ou ser tido como propriedade, e se alguém ou alguma coisa diz a você para deixar algo em paz, faça-o. Os seres que você encontrará ao longo do caminho operam em diferente plano e a etiqueta é diferente lá. Se você for respeitoso e tomar tempo para examinar a situação procurando por dicas de como se comportar, os seres que você encontrar estarão mais dispostos a ajudá-lo e a serem receptivos no seu retorno. Pense nisso como um jantar de gala num país estrangeiro em que você não sabe a língua e os costumes, mas tem de se apresentar de acordo. E nunca, nunca pegue alguma coisa a menos que tenha sido obviamente dado a você. Se você está em um jantar formal, afinal de contas, você não roubaria garfos. Itens roubados ou pilhados do plano espiritual, seus donos tendem a retornar para assombrar o ladrão tempos depois. Também não é aconselhável comer ou beber nada no plano espiritual, pois isso manteria a pessoa ou a alma dela presa naquele plano por tempo indeterminado.
  8. Quando sua jornada estiver completa, retorne para seu ponto de partida. Eleve sua consciência até o mundo real e assente-se. Sempre descarregue suas energias após ter estado em sua jornada.


Texto retirado do livro "Wicca para iniciantes" de Thea Sabin.

Como usar a meditação para alcançar uma meta

  Trabalhar a meditação e o caminho são extensões das visualizações e dos transes que você já fez. Há muitos tipos de meditação, mas para os nossos propósitos, a meditação é concentrar-se em uma imagem ou um fim desejado enquanto em estado de transe. Trabalhar o caminho é iniciar uma jornada mental durante o estado de transe.

Meditação

  Uma meditação é algo como uma visualização prolongada sob circunstâncias especiais. É muito útil na Magia e no fortalecimento pessoal porque, quando você se concentra em uma imagem durante o transe, é mais fácil imprimir essa imagem em sua mente. Wiccanos meditam sobre imagens por muitas razões, incluindo - mas não limitado - ao seguinte:

Exercitar a mente

   Porque requer manter  uma imagem por um período de tempo, assim a meditação pode fortalecer a sua capacidade de focar e modelar em estado de alerta.

Fazer mágicas e curas

   Ambos requerem concentração e visualização, já que acabam se voltando para a meditação e o transe. Geralmente, um wiccano meditará sobre a visualização de uma meta - como conseguir um novo emprego - como parte de um ritual mágico para alcançar um fim. Ainda para tratar, por exemplo, um tornozelo torcido, um wiccano pode meditar sobre sentir a dor da torção, diminuindo. É comum para os wiccanos acender uma vela e meditar para ajudar a curar uma pessoa querida que esteja em um hospital.

Para alcançar um sonho

   É mais ou menos como uma "chamada e resposta". Você usa a meditação para perguntar ao seu subconsciente uma questão antes de ir para a cama. Então, quando você vai dormir, o seu subconsciente lhe responde em sonho.

Para conseguir informação psíquica

  Isso é similar a alcançar um sonho, exceto pelo fato de que a resposta vem de outras maneiras como um flash de inspiração ou de sentido psíquico.

Exemplo de como usar a meditação para alcançar uma meta

   A seguir, um exemplo de um dos processos de que a wicca pode se valer para alcançar uma meta por meio da meditação.
   Vamos dizer que você quisesse usar a meditação para aumentar suas notas no vestibular ou em algum outro grande concurso. Você seguir estes grandes passos:

  1. Primeiro estude para o teste! A meditação é uma ferramenta poderosa, mas você também deve trabalhar duro para alcançar suas metas no plano mundano.
  2. Escolha um lugar quieto para meditar. Desligue o celular. Coloque um aviso de "não perturbe" na porta. Relaxe.
  3. Crie uma imagem em sua mente daquilo que você quer como meta máxima no teste. Isso pode ser uma figura mental de alguém chacoalhando suas mãos e dizendo parabéns ou do número relativo à sua nota no teste por si mesmo. A imagem que tiver mais significado para você será aquela que funcionará melhor.
  4. Use uma das técnicas para "assentar-se" (ligar-se à terra). A visualização da raiz é um ótimo método de premeditação.
  5. Use uma das técnicas de transe para entrar lentamente em estado de alteridade. A chama de uma vela ou vasilhame de água como técnicas podem ser particularmente úteis para este nosso exemplo.
  6. Eleve-se além do estado de consciência com qualquer das técnicas que você esteja usando para entrar em estado de transe com a imagem que você escolheu da sua meta. Por exemplo, se você está usando a chama de uma vela, "veja" a sua imagem na chama da vela, visualize a chama se tornando a sua imagem ou lentamente permita aos seus olhos se fecharem e visualizarem a sua imagem pela visão de sua mente. Foque na imagem. Veja a imagem tornar-se clara. Faça-a ficar real em sua mente.
  7. Depois de um tempo, deixe a imagem desvanecer-se e "assente-se" (livre-se do excesso de energia em seu corpo).
  8. Descarregue a energia, repita isso uma vez por dia durante muitos dias até que a imagem tenha se fortalecido na sua mente.
  9. Você pode modificar esse processo para trabalhar com qualquer meta que queira listar previamente e até mais.

Fonte: texto retirado do livro "Wicca para iniciantes", de Thea Sabin.

Transe e meditação


  Wiccanos trabalham o transe, a meditação e o seu caminho para treinar suas mentes e aprimorar suas capacidades subconscientes para seus poderes mentais. Há muitas razões pelas quais um wiccano pode desejar cada uma das técnicas ou as três juntas. Incluindo exercício mental, "assentamento" (centralização), comunicação com os deuses, mágica, interpretação dos sonhos, viagens xamânicas, criação do templo astral, cura ou apenas relaxamento.
   Tanto a meditação quanto o caminho envolvem penetrar a luz do estado de transe e então usar a visualização para designar uma imagem em sua mente. A diferença primária entre os dois, é que quando você está fazendo um trabalho para aprimorar seu caminho, sua visualização normalmente envolve uma jornada mental pré-estabelecida para um lugar particular com um propósito definido. Uma meditação pode ser bem mais livre e pode ou não ter a ver com uma "jornada" envolvida.
   O primeiro passo para fazer meditação ou trabalhar seu caminho é relaxar e permitir a si mesmo entrar em estado de transe. Mas, antes, você precisará saber como entrar em transe. Leia mais sobre o transe, clicando no link a seguir: Transe.

Desligando a "vibração da mente"

  Concentração é o cerne da boa visualização assim como do transe e da mágica.
Aqui estão algumas coisa adicionais que você pode fazer para ajudar a desligar as vibrações de sua mente. Há muitas técnicas para isso, então se qualquer uma dessas não funcionar, tente algo novo. Você encontrará e técnica certa para você.

Escreva aquilo que vier à sua mente para livrar-se

   Pegue um caderno e escreva nele todas as baboseiras que puderem passar por sua cabeça, escreva, escreva e escreva, até que esteja livre dessas ideias.
   Você também pode imaginar e visualizar que você está escrevendo do que realmente escrever.

Lavando

  Visualize-se em um rio de água corrente, com a água levando para longe de você todas as coisas estranhas que podem correr pela sua cabeça.

Uma variação sobre o método de respiração

   Em vez de respirar inalando, segurando, exalando e segurando, de maneira lenta, faça um circuito mais devagar seguido por um circuito mais rápido, então alterne entre os dois.

Respiração por meio do terceiro olho

    Respire lenta e profundamente, imaginando que você está respirando com o seu terceiro olho, o centro de energia na sua fronte que está entre as suas sobrancelhas.

  Se você não consegue parar as vibrações de sua mente em absoluto significa que talvez esse não seja um bom momento para o transe, porque você tem algo importante com o que lidar. Nesse caso, pode ser melhor lidar com o problema externo primeiro.


Fonte: Livro "Wicca para iniciantes", de Thea Sabin.

Transe


  Um transe é um estado peculiar de alteridade, algum lugar entre estar completamente acordado e adormecido. Quando você está hipnotizado, você está em um tipo de transe. Você está usualmente em estado de transe quando está sonhando acordado. Durante o transe, a consciência da mente não exatamente nos deixa - embora algumas vezes sintamos dessa maneira -, mas ela está ocupada em algum outro lugar e o subconsciente tem o caminho livre.
   Técnicas de transe podem fazer a energia funcionar mais fácil porque permitem que o lógico e o cético sejam transpassados, o Sr. Spock da sua mente, e tenha acesso ao seu subconsciente de maneira mais fácil. A energia flui através do pensamento e imprimir imagens no subconsciente começa torná-las realidade. Então, se você usar um estado de transe para diminuir as barreiras de seu subconsciente e "convencê-lo" de que a sua meta já é uma realidade, você está mais suscetível a ter sucesso com sua mágica ou qualquer que seja a sua meta que está tentando alcançar por meio do trabalho do transe.
    Assim, como para um "assentamento", há muitas maneiras de se entrar em transe. Primeiro de tudo, você precisa preparar o cenário. Quando está apenas começando com o trabalhão do transe, o ambiente que você escolheu é importante. Você precisa encontrar um lugar quieto onde possa praticar sem qualquer interrupção. É especialmente importante com o trabalho de transe sentir-se seguro, qualquer que seja o lugar escolhido. Você não está em perigo quando está em transe, mais está mais vulnerável às energias do ambiente, porque a sua mente consciente - que normalmente o deixa alerta e sintonizado com as energias indesejadas, sons e quaisquer outras distrações - está tirando férias quando você está em transe. Falando de distrações, se você tem animais de estimação, tenha certeza de que eles não tenham acesso ao lugar que você está trabalhando. Muitos animais adoram trabalho energético e eles podem ser pestinhas (adoráveis pestinhas, mas ainda assim, pestinhas) quando você tentando entrar em transe ou fazer mágica.
   Escolha um lugar para fazer o trabalho de transe que não é somente seguro, mas também confortável, com mantéis ou cortinas, e trabalhe à meia-luz. Você pode puxar as cortinas e diminuir as luzes como quando vai adormecer, que é como se fosse um estado profundo de transe, isso ajuda a manter a sua mente consciente alerta e ela fica parte do tempo ainda checando se é seguro. Trabalhar sob a luz de velas é bom, pois você fica em penumbra o suficiente para induzir ao transe, mas iluminado o suficiente para não deixar a pessoa entrar em estado profundo de sonolência.
   Se você usar uma vela, tenha certeza absoluta, contudo, de que é um lugar bastante seguro e que está em um suporte bastante estável no caso de você cair no sono.
   Você pode tocar alguma música de fundo durante o seu trabalho de transe. Algumas pessoas acham que isso as ajuda entrar em um estado de transe mais facilmente, enquanto outros acham que a música os distrai. A parte boa da música é  que ela pode reduzir as distrações causadas pelos barulhos aleatórios de fora do lugar que você escolheu, como os sons do trânsito ou de outras pessoas na casa, para apenas um barulho que desvia a atenção de todos os outros. Uma vez que tenha conseguido se concentrar, você pode abstrair-se da música (é bem mais fácil ignorar um barulho que muitos) ou ainda ouvi-la, como você quiser. Isso funciona bem, especialmente com fones de ouvido. Se for usar a música, escolha algo repetitivo - geralmente, ajuda mais, porque depois de ter ouvido alguns trecho simples da música, o cérebro começa a ficar acostumado a ela e não vai ser estimulado pela introdução de novos sons ou pelas mudanças da melodia. Isso também pode ser bom se você escolher uma música instrumental, assim sua mente consciente não interromperá o seu transe tentando seguir a letra.
  Uma vez que você conseguiu ajeitar o lugar, sente-se confortavelmente, "assente-se" e levante seu escudo.  Você pode ajustar seu "escudo" para filtrar qualquer barulho assim como energia. É o seu escudo, acima de tudo; ele é tão real quanto você o fizer, e você pode programá-lo para fazer o que quer que você precise dele.
   Em seguida, feche seus olhos ou permita-os focar levemente (deixe seus olhos relaxarem e sua visão ficar turba) e respire profundamente algumas vezes. Sinta seu corpo relaxar a cada respiração. Então, quando você estiver relaxado, tente uma das técnicas de indução ao transe. Antes de começar, todavia, se você está preocupado em como sair do transe e que você pode ter problemas ao voltar, há duas coisas muito simples que pode fazer. Ajuste um despertador para ajudá-lo a sair do estado de transe e que você após certo período de tempo (cinco a dez minutos para a sua primeira tentativa; 15 a 20, se você já tem prática em entrar em estado de transe. O barulho do relógio deve despertá-lo do estado de transe. Não é como "você ir a algum lugar" e não estar apto a voltar, ma se você está com medo de que isso aconteça, seu medo pode interferir em sua sessão de transe.
   Aqui está uma lista de indutores ao transe.

Alguns métodos básicos para induzir ao transe:

Respirando metodicamente

  Exercícios de respiração podem ser ótimos para a energia e o transe. Para estabelecer um método de respiração, respire lentamente contando até quatro, segure a respiração contando até quatro e exale em quatro intervalos; segure novamente a respiração contando até quatro e mantenha-se fazendo isso. As contagens devem ser bem lentas. A combinação da respiração e da contagem o ajudará a entrar em um estado de alteridade.

Acenda uma vela


  Permita aos seus olhos um foco suave, direcionando-os para a chama. Você pode fazer o mesmo se estiver sentado à volta de uma fogueira ou à frente de uma lareira, mas tenha certeza de que está seguro antes. Nunca é demais ter um extintor de incêndio por perto se você está fazendo qualquer coisa com velas ou chamas.

Vasilha de água


  Concentre-se na superfície da água da vasilha ou na chama de uma vela refletida na água.

O caderno


  Feche os seus olhos e visualize um caderno de páginas pautadas. Na sua mente, escreva uma linha no papel "Eu estou em transe". Visualize a formação de cada letra dessa sentença e mantenha-se escrevendo a frase nas linhas subsequentes.

O labirinto


  Feche os olhos e imagine que você está em um labirinto de corredores em que venta. Como Teseu na lenda sobre o Minotauro, você tem o final de uma corda dourada em suas mãos. O vento passa além da corda que corre em seu centro. Siga a corda para o local desejado. Quando você chegar lá, você estará totalmente em transe.

A escada


  Imagine-se subindo ou descendo por uma escada em espiral. Cada curva te leva mais fundo para o estado de transe.

Queimando uma pira de incenso


 Isso pode ser usado de duas maneiras. Na primeira, a pira contém algum composto de erva que pode induzir ao transe. É bom para o trabalho mágico porque o ajudará a entrar em transe, mas você ainda terá o controle. Além disso, você também também pode focar levemente na fumaça para induzir ao transe.

O cristal


  Encontre um pedaço de cristal com muitos pontos ou uma rocha com muitas marcas aleatórias; estabeleça seu foco suavemente e permaneça buscando pelos pontos e marcas no cristal ou na rocha.

Espiral de água


  Visualize uma espiral de água escorrendo e sendo drenada, ou vá até alguma fonte e assista ao processo real. Eu sugiro que utilize uma daquelas mini fontes que vendem em lojas de decoração.

Ver os peixes


  Permita aos seus olhos focar suavemente e fixe sua visão em um aquário de peixes: sim, isso pode parecer engraçado, mas funciona! Há uma razão pela qual os orientais mantêm aquários de peixes em suas casas - os aquários possuem grande energia (chi) e eles são muito relaxantes.

A espiral


  Desenhe uma espiral em um pedaço de papel e trace-a com seu dedo. Assista à ponta do seu dedo ir e voltar sobre ela. Isso fica melhor se você o fizer à luz de velas. Note que algumas pessoas que estão começando a lidar com o transe podem ter problemas em fazer algo físico - como mover os seus dedos - e se concentrar ao mesmo tempo, então é melhor que você comece valendo-se de outras ideias.


  Fonte: Texto retirado do livro "Wicca para iniciantes", de Thea Sabin.

domingo, 22 de junho de 2014

Como criar seus próprios feitiços

  Hellou bruxinhos? Hoje, estou aqui com o intuito de ensinar-lhes a criarem seus próprios feitiços. Mas por que criar seus próprios feitiços? Por que é o que um bruxo de verdade faz. Além do mais, os feitiços criados por você mesmo serão mais poderosos que qualquer coisa que qualquer um poderia escrever para você, pois são compostos de partes significativas a você pessoalmente. E, escrever seus próprios encantamentos é uma indicação poderosa de que você não apenas está fazendo a mágica diária, mas igualmente está trabalhando sua vontade nesse nível mágico mais elevado, assim se você está pronto para iniciar essa parte de seu crescimento espiritual com suas próprias mãos, aqui estão 12 etapas para construir um grande encantamento.

Etapa 1: Ajustar seu objetivo

  Qual é o objetivo de seu encantamento? Escreva-o. Seja específico. Comece com seu desejo, mas nem sempre a maneira como você formulou inicialmente pode ser a mais específica ao seu desejo. Se você pede algo na presença do Criador ou dos deuses e não é específico, as possibilidades são as de que os poderes maiores estejam considerando que você alcance seu objetivo mágico da maneira mais difícil. Eles não maliciosos; é apenas a maneira como a vida funciona.
  Se você está fazendo mágica para trazer o amor para a sua vida, qual o tipo de amor que você procura? Romance? Amizade? Amor fraternal? Que tipo de pessoa você gostaria de atrair? Não pense em nomear uma pessoa específica, porque você não quer manipular alguém para um relacionamento com você, mas pense nos traços que você gostaria que ele ou ela tivesse. Lembre-se de que mesmo você sendo um wiccano superpoderoso, não o levará a lugar algum desejar um objetivo vago como "A paz mundial". Embora seja bastante nobre desejar tal coisa, é um tópico grande e abrangente demais, com muitas variáveis, para que um wiccano solitário consiga. Eu não estou dizendo para você descer o nível e ignorar aquilo de que não é capaz (que não estaria trabalhando sua vontade, após tudo), mas quando você começar é melhor escolher objetivos menores, mais concretos.

Etapa 2: Examinar sua vontade

  A mágica que você está contemplando está alinhada com sua finalidade mais elevada? Se você não sabe, não faça a mágica até que tenha meditado sobre essa pergunta ou perguntado à divindade ou ao seu senso de auto-orientação. Você pode igualmente querer usar um método divinatório, como Tarô ou Astrologia, para ajudá-lo a determinar se esse encantamento é o certo para você.

Etapa 3: Considerar sua ética e as possíveis consequências

  Pense sobre os resultados possíveis de suas ações e seu impacto antes de prosseguir. O que você está contemplando ferirá alguém? Lembre-se da Lei Tríplice do Retorno e tente atuar sempre em benefício mais elevado. Mais é igualmente importante não realizar um feitiço baixo. Um encantamento desses não o ajudará e ainda pode impedir sua vontade verdadeira de se alinhar com você e ajudá-lo de verdade. Essa é uma outra área onde um método divinatório pode ajudá-lo a tomar uma decisão.

Etapa 4: Trabalhar para o seu objetivo no plano mundano

  A mágica é muito mais eficaz se, além de fazer um encantamento, você igualmente tentar conseguir seu objetivo pela maneira "diária". Afinal, você não pode ganhar na loteria se você não comprar um bilhete e é duro começar um trabalho novo se você não manda nenhum currículo, o que acaba sendo um enorme retrocesso para o seu encantamento se você não o fizer.

Etapa 5: Escolher o melhor momento de executar a mágica

  Quando é a melhor hora para fazer acontecer? Há muitos fatores a considerar ao escolher o momento adequado. Como as fases da lua. Wiccanos fazem a mágica para realçar ou conseguir coisas tais como saúde, dinheiro e amor por meio da magia quando a lua está crescente ou cheia.
   Fazem mágica para banir ou diminuir coisas, como reduzi as dívidas, perder peso ou quebrar um mau hábito na Lua Minguante ou Nova.
  A mágica para trazer coisas à fruição é feita frequentemente na Lua Cheia.
E como você sabe se a lua está crescente ou minguante? A maneira mais mais fácil é olhar para o céu. A lua está crescente quando o lado está claro e curvado à direita, como um D; e minguante quando o lado claro está curvado à esquerda, como C. Se está nublado demais para dizer, procure um calendário lunar ou na Internet.
   Você pode igualmente planejar o trabalho do encantamento baseado no dia da semana. Cada dia é associado a um planeta e os planetas têm por sua vez, suas próprias correspondências. Domingo é associado ao Sol, e é bom para a mágica que tem haver com energia e a força da vida, o dinheiro e a prosperidade geralmente. Segunda-feira é associado à Lua, e é um bom momento para fazer a mágica para a concepção e a qualquer coisa que tem haver com mães, trabalho emocional, vidência e consolidação. Terça-feira é associada a Marte, o planeta do guerreiro, e é um bom dia para qualquer tipo de mágica, protetora ou agressiva, e especialmente para que a mágica se fortaleça e lhe dê forças. A Quarta-feira é associada ao planeta Mercúrio, o mensageiro romano dos deuses, dessa forma, a magia relacionada à comunicação e as viagens funciona bem nesse dia. Quinta-feira é associada ao planeta Júpiter, rei romano dos deuses, e a mágica para coisas como o dinheiro, a sorte e a fortuna é realçada neste dia. Sexta-feira está associada ao planeta Vênus, planeta do amor, assim ajuda na magia para conseguir um amor, ser mais amoroso ou para ajudar em relacionamentos, desde que todas as partes envolvidas consintam em seu funcionamento. Sábado está associado a Saturno, o planeta do trabalho, dos limites e das limitações, assim é melhor para realizar mágicas de proteção, para eliminar as dívidas ou uma magia para encontrar um bom emprego.

Etapa 6: Envolver outras pessoas (ou não)

  Quem está envolvido em seu ritual? Se você está planejando fazê-lo sozinho, essa é uma pergunta fácil de responder. Entretanto, você pode desejar incluir outra pessoa. Quem provavelmente compartilharia de seu objetivo e poderia estar disposto a ajudá-lo? Se está desejando fazer mágica que envolve uma outra pessoa que não esteja presente - como fazer um trabalho de cura para a sua avó, por exemplo - , você deve contatar a pessoa, se possível, e pedir sua permissão antes de prosseguir. Às vezes, é impossível conseguir a permissão, quando sua avó está em um respirador ou inconsciente. Nesses casos, medite sobre se o seu encantamento é apropriado e use seu conhecimento sobre a pessoa em questão para ajudá-lo a decidir.

Etapa 7: Envolver seres do além (ou não)

  Fazer mágica é diferente de rezar, porque você é a força preliminar por trás de fazer o trabalho. Entretanto, você pode desejar pedir a ajuda do Deus e da Deusa, de seus "familiares", deidades, animais, "antepassados" ou seres elementais. Antes que comece, faça alguma pesquisa para determinar a quem seria mais apropriado pedir. Contanto que sua magia seja positiva, o Deus e a Deusa são boas escolhas para aparentemente qualquer coisa, mas o Deus é particularmente útil no trabalho que tenha relação com proteção, fertilidade, natureza, morte, energia pura e animais, e a Deusa é particularmente útil na mágica sobre nascimento, fertilidade, plantas, terra e coisas de manifestação mágica em sua vida. Suas deidades pessoais terão as características associadas a elas que poderiam que poderiam o ajudar demasiado. Por exemplo, a deusa celta Cerridwen é ligada à sabedoria, e o deus grego Hermes ao Caminho.
   Há dois tipos de Familiares animais de wiccanos: o desencarnado (espírito na forma animal) e o encarnado (animais de estimação vivos ou outros animais). Os familiares animais ou os espíritos dos desencarnados agem como guias e ajudantes. Wiccanos trabalham muito com espíritos animais, mas alguns não o fazem. Os familiares de wiccanos não são demônios: são espíritos positivos de energia ou que tomam as formas de animais na mente do wiccano. Alguns wiccanos escolhem o familiar que gostariam de trabalhar com base, em suas qualidades. Por exemplo, você pode escolher um corvo por sua inteligência ou um lobo por sua inteligência. Às vezes, um familiar escolhe o wiccano.

Etapa 8: Escolher o local

  Há muitos lugares onde você pode fazer seu encantamento. Leve em consideração se quer realizá-lo num ambiente interno ou externo e, em seguida, se poderá trabalhar sem interrupções. A natureza de seu encantamento será um fator de determinação. Se você está trabalhando com os elementais do Fogo ou da natureza, desejará fazê-lo em um ambiente externo, preferencialmente, próximo à natureza. Mas, se estiver fazendo algo que exija muita concentração ou meditação, pode ser melhor estar em um ambiente interno. Você pode usar o círculo de poder ou não. Isso não é de modo algum uma exigência para a mágica, mas acaba sendo uma boa ideia se você está chamando os deuses.

Etapa 9: Escolher suas correspondências

  A mágica trabalha bem quando seu encantamento inclui os artigos alinhados a seu objetivo. Esses artigos ajudam a focalizar sua intenção e a adicionar a energia ao funcionamento. Quando você está pensando sobre que artigos incluir em seu encantamento, considere a cor das coisas, som, perfume, gosto ou textura que de algum modo servem aos seus objetivos. Considere o alimento, as velas, os óleos, o incenso, ferramentas mágicas, roupas, ervas, rochas e cristais que são associados diretamente ao seu encantamento.

Etapa 10: Escrever ou adquirir o encantamento

  Você quer escrever seu próprio encantamento, ou já encontrou em um livro e quer apenas modificá-lo para servi-lo melhor?
   Se a opção for a de escrever seu próprio encantamento, pense primeiro em seu objetivo. Encontre uma maneira de indicar claramente seu objetivo nas palavras, com rima ou sem. Construir então o ritual em torno dessa indicação faz o centro da intenção. Incorpore as correspondências que escolheu diretamente nas palavras ou no ritual maior. As etapas do ritual do encantamento podem ser muito similares às que você tem usado em outros rituais. Por exemplo:
  1. Limpar e preparar o espaço. Arrumar o altar e levantar um círculo;
  2. Invocar os elementais, se desejado;
  3. Chamar o Deus e a Deusa, se desejado;
  4. Declarar sua intenção, falar as palavras de seu encantamento e focar-se em seu objetivo;
  5. Elevar a energia para dirigi-la ao seu objetivo usando qualquer um dos muitos métodos, incluindo o trabalho da respiração, da dança e outros movimentos - canto, tai chi ou visualização. 
  6. Focalizar e dirigir energia. Visualizar seu objetivo e dirigir-lhe mentalmente a energia;
  7. Dizer "adeus" ao Deus e a Deusa, liberar os quartos (os elementais), desfazer o círculo;
    Lembre-se, você não tem que construir um círculo, chamar os quartos ou os deuses. Essas etapas foram incluídas caso você queira fazê-las. Pode ser melhor usá-las durante suas primeiras tentativas.

Etapa 11: Prepare-se

  Às vezes wiccanos farão um trabalho preparatório que os ajude a começar a se alinhar com sua finalidade antes que comecem o encantamento real. Isso pode incluir um banho ritual com as ervas ou óleos associados com seu objetivo (por exemplo, manjericão para um encantamento de dinheiro),

Etapa 12: Trabalhar sua mágica e saber que ela será bem sucedida

  Agora é com você! Faça tudo direitinho e aguarde os resultados. Sempre pense positivo.

Fonte: Livro, Wicca para iniciantes de Thea Sabin.



sábado, 21 de junho de 2014

O Livro Das Sombras

Um BOS tradicional de Wicca, a capa pode ser feita com E.V.A preto, e o pentagrama encontrado em lojas de artigos misticos.
  O Livro Das Sombras, também referido como BOS (que vem da sigla em inglês, Book of Shadows) é um livro que combina encantamento e diário mágico. As bruxas o utilizam para registrar seus rituais e, nele, escreverem se os mesmos foram bem sucedidos ou não.
O BOS pode ser qualquer coisa, de um caderno espiralado a um livro em branco encadernado no qual você escreva. Alguns wiccanos desenham lindas molduras nas páginas de seus livros, como manuscritos medievais. Outros livros são muito lisos. Sem muitos enfeites. É comum aos bruxos novatos acharem tudo tão novo e fascinante a ponto de exagerarem um pouco na hora de escolherem seu livro das sombras, por exemplo. E muitos comerciantes se aproveitam disso e tentam empurrar "Livros Das Sombras" com preços elevados aos novatos.

   Você mesmo pode fazer seu próprio Livro Das Sombras. Se ele vai ser bem elaborado e decorado, isso só depende de você,  e da Tradição a qual segue.
  Se quiser, seu Livro Das Sombras pode ser apenas um caderno comum. Sem muitos enfeites. Eu recomendo àqueles que ainda são muitos jovens e praticam a magia em segredo, por ser discreto. Mas, se você quiser, pode encapar seu livro. Não é tão difícil. Você só tem de ser criativo! Antes de começar, adquira um caderno escolar (recomendo o espiralado) comum. Pense em como você quer que seja a sua capa. Adquira o material necessário e faça você mesmo a sua capa. Você pode usar materiais como E.V.A, glitter, folhas secas, etc. Se você for habilidoso com artesanato, tenho certeza de que vai conseguir deixar seu livro com a sua cara. Só não se esqueça de adquirir um caderno grande, com mais de 200 folhas. Quanto mais folhas o caderno tiver, melhor.
Um BOS comum

   Quando terminar de enfeitar seu Livro Das Sombras, talvez você queira consagrá-lo ou não. Eu não considero necessário. Mas aí, fica a seu critério!
Se você acha que ter um Livro Das Sombras agora, seja algo muito avançado porque você não teve ou tem muitas experiências sobrenaturais, então comece com o Grimório. O Grimório é bem semelhante aos Bos, diferindo apenas que ele serve unicamente para anotar feitiços e poções. Ele é mais simples e mais prático!
   Se quiser ter os dois, não há problema algum. Você também pode confeccionar seu próprio grimório.

   Eu mesma confeccionei meu Bos e meu grimório e, posso dizer que eles são bem simples. Eu comprei dois cadernos e os encapei com uma capa que eu mesma fiz.
   Uma coisa muito importante, jamais mostre seu BOS ou seu Grimório a qualquer pessoa. Esse livro deve ser tão respeitado quanto a bíblia porque é muito significativo para as bruxas. Enrole-o em um pano e guarde-o escondido em um lugar longe dos olhares curiosos.
  Algumas bruxinhas modernas preferem manter um BOS virtual. Alguns em forma de diário, outros em um blog privado. A vantagem de se ter um BOS virtual é que você acessá-lo facilmente através do seu tablete ou de seu celular. Pode encontrar facilmente os feitiços que procura e etc. Alguns wiccanos não aconselham o uso do BOS virtual e afirmam que vc nem sempre vai poder acessá-lo em um ritual e que levar um computador no meio de um círculo seria algo absurdo. Eu discordo! Os celulares estão com tudo e não ocupam muito espaço. Não concordam? Além do que, decorar um BOS virtual seria bem mais fácil, especialmente, se em um blog privado.  Mas você quem sabe. Você pode pagar de R$ 160.00 para lá e comprar um BOS já confeccionado (mas além da capa, eu não sei qual a vantagem). Você pode comprar o caderno e os materiais necessários e confeccionar você mesma seu livro mágico ou criar um virtual. Depende do seu tempo, do seu dinheiro e da sua criatividade. Pense no que é melhor para você.
   As bruxas mais antigas sempre diz que Uma Bruxa De Verdade Deve Ela Mesma Confeccionar Seus Materiais Mágicos.

Beijinhos a todos!

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Hades

Hades em A Fúria de Titãs

  Hades, segundo a mitologia grega, é o deus do submundo.
Ele é conhecido também por ter raptado Perséfone (Core), sua sobrinha, filha de Deméter e Zeus, e a levado para o submundo.
Hades costuma apresentar um papel secundário na mitologia, pois o fato de ser o governante do Mundo dos Mortos faz com que seu trabalho seja "dividido" entre outras divindades, tais como Tanatos, deus da morte, ou as Queres (Ker) - estas últimas retratadas na Ilíada recolhendo avidamente as almas dos guerreiros, enquanto Tanatos surge nos mitos da bondosa Alceste ou do astuto Sísifo.
Como o senhor implacável e invencível da morte, é Hades o deus mais odiado pelos mortais, como registrou Homero (Ilíada 9.158.159). Platão acentua que o medo de falar o seu nome fazia usarem no lugar eufemismos, como Plutão.
Na Bíblia, Hades é usado com o mesmo significado de Seol (significam morte temporária, que termina na ressurreição dos humanos no dia do juízo).

Origem: Guerra dos Titãs

Temendo uma profecia que dizia que seria derrotado por um dos filhos, Cronos passou a devorar os filhos tão logo sua mulher, Reia, os tinha. Assim ocorrera a todos os filhos que teve, à exceção de Zeus que, para ser poupado, foi num ardil materno trocado pela mãe por uma pedra.
Segundo Apolodoro e Hesíodo Cronos os devorou na seguinte ordem: primeiro a Héstia, em seguida Deméter e Hera e, mais tarde, a Hades e Posseidon.
Crescendo, o jovem deus teve novamente a ajuda materna para auxiliá-lo: Reia fez com que o marido engolisse uma beberagem que o forçou a vomitar os filhos presos dentro de si. Uma vez libertos, os irmãos ficaram solidários a Zeus, no combate contra o pai. Postaram-se, então, no monte Olimpo e, com ajuda dos titãs hecatônquiros, combateram os outros titãs, que se posicionaram no monte Ótris, numa batalha que durou dez anos.
Os titãs solidários aos olímpicos — Briareu, Coto e Giges — deram aos três irmãos suas armas: a Zeus os raios, a Posseidon o tridente; a Hades coube um capacete, que o tornava invisível.
A derrota de Cronos deu-se com o uso das três armas: Hades, invisível com seu elmo, roubou ao pai suas armas e, enquanto Posseidon o distraía com o tridente, Zeus o fulminou com seus raios.
Sendo o mundo dividido em três partes, Zeus procedeu à divisão por sorteio dos reinos entre si e os dois irmãos: para si ficou a Terra e o Céu, a Posseidon coube os mares e rios, ao passo que para Hades ficou o domínio sobre o mundo subterrâneo e os seres das sombras.
Mais tarde Hades desposa Perséfone (a Prosérpina dos romanos, também chamada Core ou Kore), filha de sua irmã Deméter (Ceres, para os romanos), e que ao seu lado tornou-se a rainha dos mortos.

Hades e Perséfone

 

A união foi narrada por Thomas Bulfinch como decorrente da luta havida entre os deuses e os gigantes Tífon, Briareu, Encélado e outros: após terem sido aprisionados no Etna, os cataclismos provocados por suas lutas pela liberdade fizeram com que Hades temesse que seu mundo fosse exposto ao Sol.
Então, a fim de verificar o que estava se passando, finalmente Hades decide sair de seu reino, montado em seu carro de negros corceis. Estava Afrodite, naquele momento, sentada no monte Érix junto a seu filho Eros (então personificado como Cupido) e desafiou-o a lançar suas flechas no deus solitário quando, por ali, a filha de Deméter transitava no vale de Ena (uma pradaria siciliana), igualmente solteira.
Flechado pelo Amor, Hades rapta a bela sobrinha que, apavorada, clama por socorro à mãe e suas amigas mas, sem ter como reagir, acaba resignando-se. Hades excita os cavalos a fugirem o mais depressa possível até que chegaram ao rio Cíano, que se recusou a dar-lhe passagem. O deus então feriu-lhe a margem, abrindo a terra e criando uma entrada para o Tártaro.
Outras variantes do mito colocam a sobrinha e amada de Hades às margens do rio Cefiso, em Elêusis, ou aos pés do Monte Cilene, na Arcádia, local em que uma caverna levava aos Infernos; noutras, próxima a Cnossos, em Creta. Também conta-se que Zeus, para ajudar o irmão na captura de Core, enquanto ela colhia flores, postou um narciso (ou um lírio) na beira dum abismo e ela, ao colher a flor, caiu, pois a Terra se abriu, ao aparecer Hades para capturá-la.
Deméter parte numa busca inútil à filha, indo de Eos (a Aurora) até as Hespérides (no poente). Em sua peregrinação salva um menino, a quem incumbe de ensinar a agricultura aos homens. Desesperançada, pára à margem do mesmo rio Cíano onde a filha fora levada. A ninfa que ali habitava fica oculta, temendo represálias do deus dos Infernos, mas deixa fluir sobre as águas a guirlanda que Perséfone derrubara ao ser levada. Ao vê-la a deusa se revolta, culpando a terra por seu sofrimento: a maldição que lança provoca a infertilidade do solo e a morte do gado.
Vendo a desolação provocada pela vingança da deusa, a fonte Aretusa resolveu interceder. Procurando Deméter, conta sua história - de como fora perseguida por Alfeu, no curso do rio de mesmo nome e, ajudada por Artêmis, que lhe abrira um caminho subterrâneo para a fuga até a Sicília, viu então Perséfone sendo levada por Hades — ainda triste, mas já ostentando o semblante de Rainha do Mundo Inferior.
Uma variante narra a história da seguinte forma: após dez dias Deméter foi auxiliada por Hécate, deusa da lua nova, que a levou até Hélio, o Sol; este ter-lhe-ia contado o que ocorrera, acrescentando que o rapto fora consentido por Zeus. Dissera mais: que aceitasse o ocorrido, pois Hades "não era um genro sem valor". Mas a mãe, em seu desespero, recusa o conselho e, magoada com Zeus, abandona o Olimpo e passa então a vagar na terra como uma velha.
A deusa de imediato vai ao Olimpo, onde pleiteia a Zeus fosse a filha restituída. O Senhor dos Deuses consente, impondo contudo a condição de que Perséfone não tivesse, no mundo inferior, ingerido alimento algum — uma condição que faria com que as Parcas vedassem-lhe a saída. Hermes, guia das almas, é enviado como mensageiro junto a Primavera. Hades concorda com o pedido mas, num ardil, oferece a Perséfone uma romã, da qual a jovem chupa alguns grãos, selando assim o seu destino, pois jamais poderia se libertar dos Infernos.
Apesar de ter a esposa para sempre presa ao Submundo, o deus das sombras faz um acordo com a sogra, anuindo que Perséfone passasse uma parte do tempo ao seu lado e outra, com a mãe. Deméter concorda com o ajuste, e devolve à terra sua fertilidade.


As paixões de Hades


Hacquard registra que Hades permaneceu fiel à esposa Perséfone, salvo em duas ocasiões: a primeira quando teria se deixado enamorar pela ninfa do Cócito, Minta; perseguida pela rainha Core, foi transformada pelo deus em menta. A segunda teria sido o amor por uma oceânida.
O primeiro mito estaria ligado ao próprio rapto de Perséfone: Minta (ou Minte), ninfa que habitava o Submundo, mantinha com Hades um relacionamento, interrompido por seu casamento; a ninfa então, procurando recuperar o amante, passou a se vangloriar, dizendo ser mais bonita que sua rival, despertando a fúria em Deméter, mãe de Core. Deméter então puniu a moça presunçosa, fazendo em seu lugar surgir a menta.
Noutra passagem, teria se apaixonado por Leuce, filha de Oceano, e que por isso foi transformada no álamo prateado.
Wilkinson e Philip registram que, quando Hades vinha à superfície, não era capaz de dominar os desejos pelas infelizes ninfas. Perséfone, contudo, sempre agia para conter esses impulsos e, assim, quando o marido se apaixonara por Minte, a transforma no hortelã; quando o mesmo ocorrera a Leuce, transformou-a no álamo.

A aparência de Hades


 As representações de Hades apresentam a mesma face de Zeus e Poseidon, seus irmãos.
As antigas obras de arte diferenciam-no somente por alguns 'rasgos de expressão', como
registrou Murray. As espessas barbas e cabelo sombreiam a face.

   Seus atributos eram um cetro, similar ao de Zeus, e um capacete que conferia a invisibilidade
a quem o portasse. Seu auxiliar é o grande cão de três cabeças, Cérberos.
Sua figura é bastante sóbria, sem ornatos: Além da expressão sombria pelo franzir dos cenhos,
a barba em desalinho e cabelos desgrenhados num rosto pálido. Suas vestes consistem num
pesado manto e túnica vermelhos; seu trono é representado por uma coruja.
  

O Inferno de Hades

 uma das passagens estava sempre aberta de modo a permitir a entrada, sem retrocesso. Sua guarda cabia ao cão Cérbero, que era dócil a quem chegava, mas feroz a quem pretendesse sair.
A entrada era separada do interior por vários rios, de águas turbulentas, dos quais o mais famoso era o Estige, tão fiável que os próprios deuses o evocavam como testemunha dos juramentos. Sua passagem era feita pelo barqueiro Caronte, para cujo pagamento colocavam os gregos uma moeda (danake) na boca do falecido.
Outros rios eram o Aqueronte (rio da eterna aflição), Lete (o rio do esquecimento), Piriflegetonte (rio de fogo), Cócito (rio do pranto e lamento).
  Além do próprio reino dos mortos, duas outras regiões se apresentavam: Os Campos Elísios, uma ilha
de bem-aventurança que recebia as almas das pessoas boas e o Tártaro - tão profundo que distanciava-se da terra, como essa do céu.

Prometeu

Segundo Hesíodo foi dada a Prometeu e a seu irmão Epimeteu a tarefa de criar os homens e todos os animais. Epimeteu encarregou-se da obra e Prometeu encarregou-se de supervisioná-la. Na obra, Epimeteu atribuiu a cada animal os dons variados de coragem, força, rapidez, sagacidade; asas a um, garras outro, uma carapaça protegendo um terceiro, etc. Porém, quando chegou a vez do homem, formou-o do barro. Mas como Epimeteu gastara todos os recursos nos outros animais, recorreu a seu irmão Prometeu. Este então roubou o fogo dos deuses e o deu aos homens. Isto assegurou a superioridade dos homens sobre os outros animais. Todavia o fogo era exclusivo dos deuses. Como castigo a Prometeu, Zeus ordenou a Hefesto que o acorrentasse no cume do monte Cáucaso, onde todos os dias uma águia (ou corvo) dilacerava seu fígado que, todos os dias, regenerava-se. Esse castigo devia durar 30.000 anos.

Prometeu foi libertado do seu sofrimento por Hércules que, havendo concluído os seus doze trabalhos dedicou-se a aventuras. No lugar de Prometeu, o centauro Quíron deixou-se acorrentar no Cáucaso, pois a substituição de Prometeu era uma exigência para assegurar a sua libertação.

Na Teogonia, Hesíodo descreve Prometeu como um desafiante inferior à onipotência e onisciência de Zeus. Num célebre episódio, durante um banquete destinado a selar a paz entre mortais e imortais, Prometeu foi responsável por aplicar um estratagema em Zeus,
colocou duas oferendas diferentes diante do deus olímpico: uma delas consistia de uma seleção de carne escondida dentro de um estômago de boi (alimento escondido dentro de um exterior repulsivo), enquanto a outra consistia dos ossos do boi totalmente envoltos em "reluzente gordura" (algo impossível de ser consumido dentro de um exterior atraente). Zeus escolheu a segunda, abrindo assim um precendete para os futuros sacrifícios, e a partir de então os humanos teriam passado a ficar com a carne dos animais que sacrificavam, dedicando aos deuses apenas os ossos, envoltos numa camada de gordura. O truque enfureceu Zeus, que retirou o fogo dos humanos como forma de retribuição.
Prometeu, por sua vez, roubou o fogo dentro de um gigantesco caule de funcho, devolvendo-o à humanidade. Isto enraiveceu ainda mais Zeus, que enviou Pandora, a primeira mulher, para viver com os homens.
Forjada por Hefesto a partir do barro, e trazida à vida por obra dos quatro ventos, todas as deusas do Olimpo reuniram-se para adorná-la. "Dela descende a geração das femininas mulheres", escreveu Hesíodo, "dela é a funesta geração e grei das mulheres, grande pena que habita entre homens mortais, parceiras não da penúria cruel, porém do luxo."
  Prometeu por sua vez, como castigo eterno, foi acorrentado a uma rocha no Cáucaso, onde seu fígado era devorado cotidianamente por uma águia,
apenas para vê-lo regenerar-se durante a noite, segundo a lenda, devido à sua imortalidade.
Anos mais tarde, o herói grego Héracles (o Hércules romano) abateria a águia e libertaria Prometeu de seus grilhões.

A caixa de Pandora

Hesíodo abordou novamente a história de Prometeu em sua obra Os Trabalhos e os Dias (versos 42 a 105). Nela, o poeta fala com maior detalhe da reação de Zeus ao roubo do fogo. O deus olímpico não apenas retira o fogo dos homens, mas também os "seus meios de subsistência" (42). Não tivesse Prometeu provocado a ira de Zeus (44-47), "comodamente em um só dia trabalharias para teres por um ano, podendo em ócio ficar; acima da fumaça logo o leme alojarias, trabalhos de bois e incansáveis mulas se perderiam." Hesíodo também expande a história da primeira mulher, citada na Teogonia, chamando-a agora explicitamente de Pandora ("A que tudo dá"). Após Prometeu roubar o fogo, Zeus envia-a aos homens como retaliação; apesar dos avisos de Prometeu, seu irmão Epimeteu aceita o "presente" dos deuses. Pandora foi advertida por Epimiteu para que nunca abrisse o baú do qual ele retirou os atributos que deu como presente aos animais, pois lá não restava nada de bom. Entretanto, Pandora tinha uma característica inerente a todas as mulheres, a curiosidade. Movida por este sentimento insaciável, Pandora abre o baú, e de dentro do mesmo saem todos os males e doenças que afligem a humanidade, tais como pestes, ciúme, inveja, ganância, e vários outros. Percebendo o erro cometido, Pandora se apressa em fechar o baú, na tentativa de evitar que todos os males saíssem, e com isso consegue evitar a saída do pior de todos os males, aquele que acaba com a esperança. Por isso, por pior que a situação esteja, o homem ainda consegue ter esperança em dias melhores.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Wordpress Theme by wpthemescreator .
Converted To Blogger Template by Anshul .